Criança com réplica de metralhadora tira foto com deputados no Plenário

Uma criança de aproximadamente sete anos está passeando nesta quarta-feira (5) na Câmara dos Deputados. O curioso é que o menino, que está com farda similar a da Rotam, está portando uma réplica de metralhadora e posando ao lado de deputados federais no Plenário da Câmara.

> Ministério de Damares repudia abordagem racista e violenta da PM

O policial mirim rapidamente virou atração na Casa e passou a ser "tietado" por deputados que posaram ao seu lado sorrindo. O pai do menino está acompanhando ele sem crachá de identificação, o que é proibido neste local, e junto está um homem com blazer azul, que está com um crachá amarelo, a categoria que permite dar acesso dentro da Casa, mas, na teoria, não permite entrar no Plenário.

Capitão Guerra
Erick Mota / Congresso em Foco
O garoto é conhecido no Instagram, onde costuma publicar fotos e vídeos de "abordagens policiais", onde ele, simulando o papel de PM, aborda outra criança. Sempre com réplicas de armas de fogo.

Simulacros (como são conhecidas armas de fogo falsas) ou armas de brinquedo, que possam ser confundidas com armas de fogo reais, são proibidas no Brasil.

No perfil da criança no Instagram, também é possível ver fotos com o General Heleno, Sargento Fahur, Carlos Jordy, Tiririca, Abilio Santana, Helio Lopes, Vitor Hugo, e com o próprio presidente Jair Bolsonaro. Com o mandatário, no entanto, a criança não está com réplica de arma de fogo.

Após a publicação desta matéria, a líder do Psol, Fernanda Melchionna (RS), se manifestou nas redes sociais contra o ocorrido."É inadmissível que se estimule uma criança a carregar uma réplica de uma arma de fogo como se fosse algo positivo ou um modelo a ser seguido. A atitude irresponsável daqueles que permitiram a ação e dos parlamentares que se aproveitaram dela certamente fere o Estatuto da Criança e do Adolescente. O Brasil sabe que o que precisamos é de mais políticas públicas e seriedade, e não mais armas. Arma não é brinquedo", disse a deputada.

O Coronel Tadeu, que foi um dos deputados que tiraram fotos com o menino, disse ao Congresso em Foco que fica feliz de ver uma criança fardada de militar. "Eu vejo que essa criança passa a dquirir valores. O policial representa a proteção da sociedade, representa o sustento da democracia, representa a governabilidade de qualquer Estado, de qualquer país. Fiquei satisfeito de ver esta criança fardada e até pedi para tirar uma foto com ela, porque eu gostaria que todas as crianças do Brasil aprendessem determinados valores cívicos de respeito ao seu país", respondeu.

A reportagem perguntou se o uso da metralhadora de brinquedo teria sido um equívoco, mas o Coronel afirmou que não. "Nenhum equívoco. Um policial, um militar em 100% do tempo ele está fardado", e por isso a criança estava representando o militar "na sua essência", segundo o deputado.

A visão da deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) é bem diferente. "Eu acho isso muito triste, né? Porque as imagens dizem mais que a palavra e elas incentivam o comportamento. Quando a Câmara permite isso na verdade é um estímulo institucional de armamento. Então esta criança vai normalizar andar armada, vai achar normal na sociedade ter armas. E armas é para atirar e atirar no outro. Então vai normalizar também atirar no outro", disse a presidente do PT.

"Nós devíamos normalizar imagens de crianças com livros, com outros brinquedos didáticos, crianças alegres, crianças com outras crianças, crianças com suas famílias. Essa imagem que a gente tinha que passar. Eu lamento que isso tenha acontecido na Câmara e eu espero que isso não se repita", declarou a deputada.

Para ela, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deveria proibir a entrada de réplicas de armas de fogo na Casa, em especial no Plenário. "Se não pode entrar armas de fogo, então também não deveria permitir entrar réplica", disse.

> Menos de 1% dos presídios do Norte tem alas para pessoas LGBTs, diz relatório

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!