Fundação Palmares tira nome de Marina Silva da lista de personalidades negras

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, anunciou nesta terça-feira (13) a retirada da ex-ministra Marina Silva da lista de personalidades negras da entidade. “Marina não tem contribuição relevante para a população negra do Brasil. Disputar eleições não é mérito. O ambientalismo dela vem sendo questionado e não é o foco das ações da instituição”, escreveu Sérgio Camargo no Twitter.

Nascida em um seringal no Acre, Marina Silva foi senadora da República entre 1995 e 2011 e ministra do Meio Ambiente de 2003 a 2008, no governo Lula. Ela fundou o partido Rede Sustentabilidade, pelo qual se lançou à Presidência da República nas últimas eleições.

  A medida tomada hoje por Camargo havia sido anunciada em junho, quando ele afirmou ter determinado a revisão da lista para que “ícones da esquerda vitimista” deixassem de ser homenageados. No começo do mês, o nome da deputada federal e candidata do PT à Prefeitura do Rio, Benedita da Silva, deixou de integrar o rol de homenageados no site da fundação.

Sérgio Camargo assumiu a Fundação Palmares em janeiro de 2019. O órgão é voltado para a promoção da cultura afro-brasileira. O jornalista é conhecido pela negação reiterada do racismo estrutural no Brasil e já defendeu o fim do feriado da Consciência Negra e a extinção do movimento negro. Ele chegou a afirmar que a escravidão foi “benéfica para os descendentes” de escravizados no país.

Do mesmo partido de Marina, o senador Randolfe Rodrigues (AP) defendeu a ex-ministra afirmando que ela é reconhecida mundialmente na sua luta em defesa do meio ambiente e dos povos da floresta. “A violência dos bossais do poder não é maior que a força da sua história”, escreveu no Twitter.

  A senadora Eliziane Gama (MA), líder do Cidadania no Senado, classificou a decisão como “estapafúrdia, lamentável e revoltante”. Eliziane afirmou que irá apresentar um projeto de decreto legislativo, sustando todos os atos do presidente da Fundação Palmares que excluíram pessoas da lista de personalidades negras da entidade.

A liderança da Rede repudiou a atitude da Fundação Palmares:

STJD pune atleta Carol Solberg por protesto contra Jair Bolsonaro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!