Em meio à pandemia, posse do TJ-MS reúne 300 pessoas e tem discurso pró-cloroquina

A posse da nova administração do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) reuniu mais de 300 pessoas em ambiente fechado, na sexta-feira (22). A solenidade, que, segundo o governo do estado foi um "evento reduzido", contou com banda de música de militares do Exército, plateia e autoridades, além de buffet servido pós-evento. A celebração aconteceu no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo.

Em sua fala, o novo presidente do TJMS, Carlos Eduardo Contar, criticou a não adoção do tratamento precoce contra a covid-19, kit composto pela cloroquina, a hidroxicloroquina e a ivermectina. Ele chamou de inadmissível o “combate leviano e indiscriminado a medicamentos que, se não curam, podem ajudar na prevenção ou diminuição do contágio”.

A pandemia de covid-19 já infectou, só no estado, mais de 155 mil pessoas e colocou fim a aproximadamente 2.770 vidas. Mesmo em um auditório cheio, o governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB - MS), disse que todos os poderes estão trabalhando juntos "sob a orientação da ciência, do bom senso e da responsabilidade pública" para equilibrar "as medidas sanitárias e as condições necessárias e seguras às atividades econômicas em todo o Estado”.

De acordo com reportagem do site Campo Grande News, a mesa de autoridades contou com 12 pessoas. Também tinha um espaço para autoridades detentoras de cargos públicos, com mais 7 pessoas, e ainda mais 14 desembargadores, dos 35 no total. Parte deles preferiu acompanhar de forma virtual. Na plateia, a reportagem contou em torno de 250 pessoas.

>Presidente da Associação Médica defende interrupção imediata do tratamento precoce

>Podemos vai ao STF por prioridade na vacinação a pessoas com deficiência

Continuar lendo