Encontro entre Bolsonaro e Mandetta teve tom de reconciliação, dizem assessores

O encontro na manhã desta quarta-feira (8) entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, teve um tom de tentativa de reconciliação. Assessores ministeriais ouvidos pelo Congresso em Foco afirmaram que a reunião serviu para acertar detalhes das ações da pasta e aparar arestas.

A semana começou com a temperatura altíssima no desgaste entre Bolsonaro e Mandetta. Já no domingo (5), o presidente disse, sem citar nomes, que tem ministros achando que são estrelas. Na segunda-feira (6), chegou a ser dada como certa a demissão de Mandetta em edição do Diário Oficial da União.

As informações deste texto foram publicadas antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Em coletiva de imprensa na terça-feira (7), o ministro da Saúde não recuou nas orientações técnicas que vem defendendo de isolamento social e por um uso cauteloso de medicações como hidroxicloroquina. No entanto, ele disse que o médico que optar pela substância não está proibido, desde que assuma os riscos de eventuais efeitos colaterais negativos.

O uso da hidroxicloroquina é um dos principais pontos de divergências entre a atuação de Bolsonaro e Mandetta na crise do coronavírus. A medicação tem sido defendido por Jair Bolsonaro e aliados próximos. A eficácia da medicação no tratamento da covid-19 ainda não está comprovada.

> Medo de impeachment levou Bolsonaro a recuar de demissão de Mandetta

Bolsonaro fez live, no dia 12 de março, de máscara ao lado do ministro da Saúde, desencorajando pessoas a irem a manifestações pró-governo. Foto: Facebook

Na semana passada, Bolsonaro chamou Mandetta de arrogante e que o ministro deveria ouvi-lo mais. No domingo, o presidente disse que usaria a "caneta" para demitir integrantes do governo que estavam se achando "estrelas".

Veja a agenda do presidente para esta quarta:

8 de abril de 2020

07:30 - 08:30 - ​Fernando Azevedo, ministro de Estado da Defesa; e Bento Albuquerque, ministro de Estado de Minas e Energia
​Palácio da Alvorada

09:00 - 09:30 - ​Luiz Henrique Mandetta, ministro de Estado da Saúde
Palácio do Planalto

09:50 - 10:00​ - Jorge Antonio de Oliveira, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República
​​Palácio do Planalto

10:00 - 10:30​ - Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República; Paulo Guedes, ministro da Economia; Jorge Antonio de Oliveira, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República; Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República; e André Luiz de Almeida, advogado-geral da União
Palácio do Planalto

11:00 - 11:30 ​Senador Jorginho Mello (PL-SC) e deputado Wellington Roberto (PL-PB)
Palácio do Planalto

15:00 - 15:30 Deputado Marcos Pereira (Republicanos-SP)
Palácio do Planalto

> Bolsonaristas espalham boato sobre fundo eleitoral para atacar Maia e Congresso

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!