Decisão de segurar nova CPMF foi de Bolsonaro

A decisão de não ter apresentado nessa segunda-feira (28) o restante da participação do Poder Executivo na reforma tributária foi tomada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro. Na semana passada, o governo convidou líderes partidários no Congresso para apresentar as diretrizes do novo programa social, o Renda Cidadã, e o restante da reforma tributária, que incluiria uma ampla desoneração na folha de pagamento, a ampliação da isenção do Imposto de Renda para pessoas físicas e um novo tributo sobre movimentações financeiras similar à extinta CPMF. Os textos das duas iniciativas seriam apresentados nessa segunda, mas somente o Renda Cidadã foi divulgado.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

>Bolsonaro diz que líderes devem sugerir alternativas a teto fiscal

>Novo Bolsa Família será financiado com recursos de precatórios e Fundeb

O Congresso em Foco ouviu participantes da reunião que relataram que foram informados apenas no início do encontro de que a apresentação do restante da reforma tributária seria adiada, em vez de ser divulgada nessa segunda, como estava previsto.

"Na verdade, a primeira fala do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros, foi no sentido de que não havia consenso para a tributária e, por isso, ela não seria apresentada ainda. Focaram no Renda Cidadã", disse um dos líderes partidários que pediu para não ser identificado. O presidente Jair Bolsonaro ainda resiste à proposta por entender que ela enfrenta oposição no Congresso.

Barros disse em entrevista coletiva após o encontro que ainda não há consenso sobre a reforma tributária. Na semana passada, o líder do governo fez diversas reuniões com líderes partidários para colher opiniões sobre a reforma.

Um deputado que estava entre os presentes no encontro com o presidente e ministros  avalia que será difícil a reforma tributária avançar durante as eleições municipais, que vão até o fim de novembro. A expectativa é que a o debate sobre a reforma volte a ganhar corpo em dezembro.

A opinião que as eleições municipais vão atrasar a reforma é compartilhada por líderes no Poder Legislativo, como mostrou o Congresso em Foco em agosto.

Apesar disso, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, disse ao Congresso em Foco que o governo vai continuar buscando consenso para apresentar a matéria ao Congresso. "Continuamos construindo base de apoio", afirmou.

Barros tem nesta terça-feira (29) uma conversa marcada com o relator da reforma tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Governo quer reforma tributária aprovada pela Câmara em outubro

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!