Bolsonaro demite Valeixo do comando da PF; Moro deve se demitir nesta 6ª

O presidente Jair Bolsonaro demitiu o delegado Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da Polícia Federal. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (24), mas sem a escolha do substituto.

A mudança na PF estava sendo considerada desde o início do segundo semestre de 2019 e chegou a ser vocalizada mais de uma vez por Bolsonaro em entrevistas coletivas.

Aliados dizem que o ministro Sergio Moro pode sair do comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública caso não participe da escolha do sucessor de Valeixo. Como o Congresso em Foco  apontou em reportagem publicada na noite de quinta-feira (23), militares do Palácio do Planalto buscam uma solução negociada para a permanência do ministro.

Sergio Moro vai fazer um pronunciamento nesta sexta-feira. De acordo com a assessoria do ministro, o evento está programado para às 11 horas e será na sede Ministério.

>Ministros e parlamentares tentam saída para manter Moro no governo

>Futuro do diretor da PF é incerto. Se ele sair, Moro fica desacreditado, diz líder dos delegados

Assessores palacianos disseram nesta manhã ao Congresso em Foco que ainda não há definição oficial sobre o novo comando da PF nem sobre a permanência ou não de Moro no governo. As conversas sobre o tema no Palácio do Planalto devem tomar boa parte desta sexta-feira.

Os três mais cotados para comandar a Polícia Federal são o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, o diretor do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Fabiano Bordignon, e o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres.

Torres e Ramagem são próximos de Bolsonaro, já Bordignon é aliado de Moro.

Aliados veem como remotas chances de Moro ficar no governo

Sergio Moro deve anunciar nesta sexta-feira que vai sair do comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Dois senadores próximos de Moro e que têm contato frequente com o ministro ouvidos pelo Congresso em Foco  avaliam como remotas as chances dele ficar no governo após o presidente Jair Bolsonaro demitir Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal.

A decisão deve ser anunciada no pronunciamento marcado opara  para as 11 horas desta sexta. O nome apontado como preferido de Bolsonaro para ocupar o cargo caso a saída realmente aconteça é o do atual ministro da Secretaria Geral, Jorge Oliveira.

O ministro da Controladoria Geral da União, Wagner Rosário, foi nesta manhã ao encontro de Moro para tentar convencê-lo a ficar no cargo.

Veja a íntegra da página do Diário Oficial na qual foi informada a mudança no comando da PF. Diferente do que está apontado a demissão de Valeixo não foi a pedido, mas sim uma decisão tomada por Bolsonaro.

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país   

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!