Após Reino Unido liberar vacina, Anvisa se reúne com AstraZeneca

Representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reuniram nesta quarta-feira (30) com  integrantes do laboratório AstraZeneca para discutir o uso emergencial da vacina contra o coronavírus, que é desenvolvida pela universidade de Oxford. No Brasil, a vacina é elaborada pelo laboratório em parceria com a Fiocruz.

O pedido de autorização para uso emergencial da vacina tem que ser feito pela Fiocruz. De acordo com a empresa, não foi identificada dificuldade regulatória para atendimento aos requisitos da Anvisa, que trata dos requisitos mínimos para submissão de solicitação de autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas contra covid-19.

O prazo para análise de uso emergencial é de até 10 dias, a partir da entrada do pedido formal. Este período pode ser menor, a depender da quantidade de pacotes de informação já entregues pelo laboratório para a Anvisa dentro do processo de submissão continua.

Nesta quinta-feira (30), o Reino Unido se tornou o primeiro país a aprovar o uso da vacina da AstraZeneca

O vice-presidente de Produção da fundação Oswaldo Cruz, Marco Krieger, afirmou na segunda-feira (28) em entrevista à CNN que o instituto pretende pedir na 1ª quinzena de janeiro à Anvisa o registro da vacina da Astra Zeneca/Oxford.

> Novo carregamento de Coronavac chega ao Brasil

 

 

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!