ABI critica “proselitismo” religioso de Bolsonaro na TV Brasil

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) criticou o uso da TV Brasil pelo presidente Jair Bolsonaro no domingo de Páscoa, quando veiculou, por duas horas, uma videoconferências com representantes de igrejas evangélicas e católicas alinhadas ao governo.

Além da divulgação nas redes sociais do presidente, a celebração foi transmitida pela TV Brasil e via streaming nas redes cociais da TV pública, no YouTube, Facebook e Twitter.

Deputados bolsonaristas falam em demissão de Mandetta após entrevista

“Com a autoridade de seus 112 anos de existência em defesa das causas democráticas no país, a ABI lembra ao presidente da República que o Executivo dispõe da NBR para divulgar suas iniciativas e que a TV Brasil, por definição, é uma emissora pública, e não uma porta-voz de suas posições”, diz a nota, assinada pelo presidente da entidade, Paulo Jeronimo de Sousa, e divulgada nesta segunda-feira (13).

Leia a íntegra da nota:

TV Brasil deve ser uma emissora pública

Neste Domingo de Páscoa a TV Brasil, transmitindo em rede nacional, dedicou duas horas de sua programação para fazer proselitismo do presidente Jair Bolsonaro e das políticas irresponsáveis que ele prega diante da pandemia do coronavírus. O espaço teve participação destacada de pastores representantes de igrejas fundamentalistas alinhadas com seu governo.

Com a autoridade de seus 112 anos de existência em defesa das causas democráticas no país, a ABI lembra ao presidente da República que o Executivo dispõe da NBR para divulgar suas iniciativas e que a TV Brasil, por definição, é uma emissora pública, e não uma porta-voz de suas posições.

Paulo Jeronimo de Sousa – Presidente da ABI

Mandetta confronta Bolsonaro em entrevista à Globo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!