Pizzolato tem penas superiores a 12 anos

Ex-diretor de marketing do Banco do Brasil foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato. Ele deve cumprir a punição em regime fechado

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) definiram nesta quarta-feira (21) as penas do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato no mensalão. Ele foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro pelo seu envolvimento no esquema. No total, as penas decididas pelos integrantes da mais alta corte do país chegam a 12 anos e sete meses de prisão em regime fechado.

Mensalão: entenda o que está em julgamento
Quem são os réus, as acusações e suas defesas
Tudo sobre o mensalão

A primeira acusação definida contra Pizzolato foi por corrupção passiva. Inicialmente, o relator do mensalão, Joaquim Barbosa, sugeriu a pena de cinco anos de prisão e 200 dias multa. Depois, reajustou para três anos e nove meses, mais 200 dias multa. A punição para o ex-funcionário do Banco do Brasil se justifica, para o ministro, por ele ocupar posições importantes na época.

"Seus vencimentos alcançavam a quantia de R$ 40 mil em 2005. [Assim] a prática de corrupção passiva se revela ainda mais reprovável", disse Joaquim. Na sequência, os ministros seguiram o relator nas sugestões para as penas de peculato (cinco anos e dez meses, mais 200 dias multa) e lavagem de dinheiro (três anos e 100 dias multa). Antes de Pizzolato, o STF tinha definido a situação de outros quatro réus.

STF define pena de quatro condenados no mensalão

Os integrantes da mais alta corte do país também finalizaram as votações envolvendo o advogado Rogério Tolentino e o ex-diretor do Banco Rural Vinícius Samarane. No total, Toletino recebeu uma punição de oito anos e 11 meses, mais multa de R$ 312 mil. No caso dele, faltava a análise do crime de lavagem de dinheiro. Nos casos de Samarane, as penas não foram modificadas.

O julgamento será retomado na próxima segunda-feira (26). A expectativa é que seja retomada com a análise das penas dos parlamentares condenados. A possibilidade da perda do mandato, de acordo com o relator, só vai acontecer no fim do julgamento. Amanhã acontece a posse de Joaquim como presidente do STF. A cerimônia está prevista para começar às 15h.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!