“Partidos são barreiras à renovação”, diz movimento de Tabata

Chamado de partido clandestino por Ciro Gomes (PDT), o Movimento Acredito usou as redes sociais para se posicionar em relação à polêmica criada em torno do voto da deputada Tabata Amaral (PDT-SP) na reforma da Previdência. O movimento criticou a lógica partidária brasileira, dizendo que as siglas são uma barreira à renovação, e teve a declaração curtida por Tabata neste domingo (14).

> Oposição dá 19 votos ao governo na reforma da Previdência

> PDT deve punir quem apoiar reforma da Previdência

"Essa situação demonstra como, muitas vezes, os partidos se tornam barreiras à renovação, o que reforça a razão de existir do Acredito: defender evidências, mesmo que isso contrarie velhos dogmas e figurões políticos. O Brasil precisa de menos polarização e ataques e mais diálogo", escreveu o Movimento Acredito no Twitter, no sábado (13).

O movimento sugeriu ainda que, apesar das críticas feitas nesta semana à Tabata, o PDT teria assinado uma carta-compromisso para garantir a autonomia política das lideranças ligadas ao movimento. "Fomos acusados de 'burlar o sistema eleitoral' e receber doações de empresas", reclamou o movimento, que, em resposta a críticas de Ciro Gomes, disse aceitar apenas doações de pessoas físicas com teto individual.

Criado em 2017 com a bandeira da renovação política, o Movimento Acredito tem entre os fundadores e líderes os deputados como Tabata Amaral e Felipe Rigoni (PSB-ES). Os dois, porém, correm o risco de serem expulsos de seus partidos por terem votado a favor da reforma da Previdência no plenário da Câmara.

> PSB vai punir quem apoiou reforma da Previdência

> Previdência: o voto de cada deputado

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!