Miséria parou de cair e pobreza diminui, diz Ipea

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, mostrados pela Folha de S. Paulo, apontam para a interrupção do processo de redução de desigualdade no país. Estagnação é a primeira desde o primeiro ano de governo Lula, em 2003

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostram que a miséria parou de cair no país pela primeira vez desde 2003. No ano passado, a população abaixo da linha de extrema pobreza aumentou 3,68%, de acordo com as estatísticas lançadas no Ipeadata, plataforma de dados do Ipea. De acordo com o instrumento, os dados de 2013 foram incluídos no fim da semana passada, em 30 e 31 de outubro.

O total de pessoas que vivem na extrema pobreza passou de 10.081.225, em 2012, para 10.452.383 no ano passado. A proporção de extremamente pobres subiu de 5,29% para 5,50%, também a primeira alta desde 2003.

Apesar da miséria estagnar, houve uma melhora em relação à pobreza. Em 2012, eram 30,3 milhões; no ano seguinte o número ficou em 28,7 milhões. De acordo com a Folha de S. Paulo, falta calcular o índice de extrema pobreza com base na linha oficial de R$ 77 mensais por pessoa, adotada no Bolsa Família.

Para definir a extrema pobreza, o Ipea considera os critérios da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Os dois organismos baseiam-se em uma estimativa do valor de uma cesta de alimentos com o mínimo de calorias necessárias para suprir adequadamente uma pessoa.

Leia a íntegra no site da Folha de S. Paulo

Assine a Revista Congresso em Foco

Com informações da Agência Brasil

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!