Hospital nega compra de ouro para camuflar lucros

Em nota, entidade diz cumprir os requisitos constitucionais e legais necessárias para possuir o certificado que garante o status de filantrópica. Prefeitura afirma que Udo Döehler não participa da direção do Dona Helena

Lúcio Lambranho
Especial para o Congresso em Foco

Em resposta enviada a reportagem, a assessoria do Hospital Dona Helena afirma que "a entidade jamais efetuou a compra de ouro", apesar da denúncia ajuizada pela Advocacia-Geral da União (AGU) afirmar o contrário.

"A entidade, fundada em 12/11/1916, sempre se manteve em absoluta fidelidade à seus fins, sendo possuidora de Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social - CEBAS - desde 1966. Cumpre ressaltar que a entidade, além de possuidora do CEBAS, cumpre os requisitos constitucionais e legais que dão ensejo à imunidade/isenção dos impostos e contribuições sociais", informa o texto enviado pela assessoria”.

A justificativa do hospital, ao ser questionado o envolvimento no caso do prefeito de Joinville, também afirma que Udo Döhler não ocupa cargo de diretoria do hospital "e sequer possui acesso aos autos". “Considerando que o mesmo está intimado como testemunha pelo Ministério Público e partes em ação que envolveu a operação Feriseu (sic), ele se encontra impedido de se manifestar a respeito", destaca a nota enviada pela assessoria de comunicação da prefeitura.

Veja ainda:

Hospital compra ouro para esconder lucro em SC
Documento garante isenção bilionária para entidades

MPF acusa o Einstein de negar atendimento gratuito
Entidade rejeita acusação sobre transplantes no SUS

Tudo sobre filantrópicas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!