Eduardo Bolsonaro faz inaceitável afronta à democracia, diz ACM Neto

O presidente nacional do DEM, ACM Neto, se manifestou nesta quinta-feira (31) contra a declaração do líder do PSL na Câmara dos Deputados e terceiro filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, de que se a "esquerda radicalizar" será posto em prática o regime de restrições democráticas vivenciado na ditadura militar.

“As declarações do deputado Eduardo Bolsonaro são uma inaceitável afronta à democracia”, escreve o presidente partidário em nota.

O DEM tem entre seus filiados os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, da Saúde, Henrique Mandetta, e da Agricultura e Pecuária, Tereza Cristina.

O deputado do PSL de São Paulo fez o comentário durante entrevista para a apresentadora Leda Nagle.

"Vai chegar um momento em que a situação vai ser igual a do final dos anos 60 no Brasil, quando sequestravam aeronaves, quando executavam-se e sequestravam-se grandes autoridades, cônsules, embaixadores, execução de policiais, de militares. Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente via precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como aconteceu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", defendeu.

Leia a íntegra da declaração escrita pelo presidente do DEM:

"A defesa intransigente da democracia está no DNA do Democratas. Condenamos e combateremos qualquer tentativa de ameaça à liberdade política e ao pleno funcionamento das instituições do nosso país.

As declarações do deputado Eduardo Bolsonaro são uma inaceitável afronta à democracia. Nesse momento o país precisa de equilíbrio e responsabilidade, não de ameaças e radicalizações como as defendidas pelo parlamentar."

Catarse

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!