A pedido do defensor público-geral federal, Temer deve recuar e conceder indulto natalino

Após anunciar que não concederia o chamado indulto natalino, o presidente Michel Temer deve recuar e editar a medida antes do término de seu mandato, na próxima segunda-feira (31). Temer atende a um pedido do defensor público-geral federal em exercício, Jair Soares Júnior.

De acordo com o jornal Estadão, o defensor pede que o decreto não inclua condenados por crimes contra a administração pública. A exceção busca evitar a polêmica surgida no indulto natalino de 2017, que poderia libertar presos condenados por corrupção como o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ). Quase um ano depois da edição do decreto anterior, o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não julgou a legalidade do documento.

Em ofício encaminhado ao Palácio do Planalto, Soares afirma que a medida combate o colapso do sistema carcerário brasileiro, que é o terceiro maior do mundo. "Caso não seja editado decreto de indulto em 2018 este será o primeiro ano, desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, em que não se concede indulto como política criminal que visa combater o encarceramento em massa", diz. O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que durante sua gestão não concederá indultos.

O indulto natalino é um perdão presidencial que libera definitivamente os apenados que já tenham cumprido pelo menos dois quintos da pena, em regime fechado ou semiaberto. A medida não se aplica a praticantes de tortura e terrorismo e de crimes hediondos como estupros, homicídios e latrocínios. Quem responde novos processos também não recebe o benefício.

O Congresso em Foco entrou em contato com o Palácio do Planalto e aguarda resposta.

> Indulto natalino de Temer será o último tão generoso, diz Moro

> Depois de polêmica, Temer decide não assinar indulto de Natal para presos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!