Movimentos de renovação política elegem mais de 30 deputados e senadores

Movimentos suprapartidários que apoiam e incentivam a renovação na política elegeram 29 deputados e 4 senadores, além de um suplente de senador, para a próxima legislatura. Os 34 eleitos integram nove grupos: o Agora!, o Renova Brasil, o Livres, o Nós, o Ocupa Política, o Muitas, o Vote Nelas, a Rede de Ação Política Pela Sustentabilidade (Raps) e o Movimento Brasil Livre (MBL). Entre eles, 16 vão estrear no exercício de um mandato público.

Apenas dois dos 11 movimentos independentes que lançaram 176 candidatos ao Congresso este ano não conseguiram emplacar ao menos um parlamentar – a Frente Favela Brasil e o Brasil 21. Alguns dos eleitos fazem parte de mais de um grupo e estão distribuídos em 14 partidos. Os movimentos que mais elegeram candidatos foram a Raps, com 19 nomes; o RenovaBR, com 11, e o Ocupa Política, com 4.

Acredito, RenovaBR e Agora! são os três grupos mais focados em reunir e preparar lideranças jovens, de todas as colorações partidárias, que nunca exerceram mandatos, engajadas, segundo eles, em buscar soluções para mudar o Brasil, estimular o desenvolvimento e diminuir a desigualdade no país. O RenovaBR tem um processo seletivo para escolher as lideranças (entenda cada movimento mais abaixo).

34

foram eleitos

16

nunca tiveram mandato

14

partidos

O Nós e o Ocupa Política têm foco no Legislativo e reúnem candidaturas mais à esquerda e que defendem o combate à desigualdade. O Livres, também suprapartidário, reúne pessoas alinhadas com ideais liberais e que defendem a liberdade individual, a convivência democrática e a sensibilidade social.

A Raps é o movimento que elegeu mais senadores, incluindo políticos já conhecidos, como a hoje deputada federal Mara Gabrilli (PSDB-SP) e o deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB-AL). Reeleito para mais oito anos no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também é ligado à Raps. O grupo defende a qualidade da democracia, a ética, a transparência e a sustentabilidade.

Delegado da Polícia Civil, Alessandro Vieira (Rede-SE) é o único senador eleito pelos movimentos de renovação que exercerá um mandato público pela primeira vez. O sergipano é dos movimentos Renova e Acredito. Quem também poderá estrear na vida pública é o suplente do futuro senador Rodrigo Cunha, Henrique Arruda (Pros-AL), do Livres.

Entre os deputados ligados aos movimentos de renovação, 14 nunca haviam sido eleitos – número que inclui aqueles que se candidataram em anos anteriores, mas não conseguiram se eleger.

Em São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, o movimento Renova Brasil conseguiu eleger dois deputados federais: Vinicius Poit (Novo-SP) e Tabata Amaral (PDT-SP). Pelo estado, que detém 70 cadeiras na Câmara, também se elegeram o coordenador do MBL, Kim Kataguiri (DEM-SP), e o Professor Luiz Flávio Gomes (PSB-SP), ligado à Raps. Kataguiri despontou nas manifestações pró-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff em 2016.

37 anos

é a média de idade

22 a 24

é a idade dos eleitos mais novos

61 e 65

é a idade dos eleitos mais velhos

Suprapartidário

As configurações da Câmara e do Senado que saíram das urnas neste ano são ainda mais fragmentadas que as atuais. As 513 cadeiras da Câmara são atualmente ocupadas por deputados de 25 partidos diferentes. A partir de 2019, serão 30 partidos representados na Casa. No Senado, esse número passará de 17 para 21 siglas.

Suprapartidários, os movimentos de renovação tinham líderes em 29 partidos diferentes nesta eleição. Entre os eleitos, oito são do PSB. Professor Luiz Flávio Gomes, Diza Gonzaga (PSB-RS), João Campos (PSB-PE) e Felipe Rigoni (PSB-ES) foram eleitos para o primeiro cargo.

Além do PSB, Novo (4) e Psol (4), Rede (3) e PSDB (3), PDT (2) e PPS (2) elegeram mais de um deputado. PHS, Pros, PSC, PSD, PSL, PTB e PV elegeram um candidato cada.

Entre os nunca assumiram cargos eletivos, a média de idade é de 37 anos. Os mais novos são Kim Kataguiri, com 22 anos; João Campos - filho do ex-governador Eduardo Campos, falecido em desastre aéreo em 2014 -, com 23, e Tabata Amaral, eleita aos 24 anos. Os mais velhos são Luiz Flávio Gomes e Diza Gonzaga, com 61 e 65 anos, respectivamente.

Eleitos por estado

NOMEPARTIDOESTADOCARGOGRUPOSJá teve mandato?
Rodrigo CunhaPSDBALSenadorRapsSim
Henrique ArrudaPROSALSuplente De SenadorLivresNão
RandolfeRedeAPSenadorRapsSim
Felipe RigoniPSBESDeputado FederalAcredito, RenovaNão
Francisco Jr.PSDGODeputado FederalRapsSim
Lucas GonzalezNovoMGDeputado FederalRenovaNão
Tiago MitraudNovoMGDeputado FederalRaps, RenovaNão
Franco CartafinaPHS MGDeputado FederalRaps, LemannSim
Aurea CarolinaPsol MGDeputado FederalMuitas, Ocupa PolíticaSim
Eduardo CostaPTB PADeputado FederalRapsSim
Pedro Cunha LimaPSDBPBDeputado FederalRapsSim
João CamposPSBPEDeputado FederalRaps, LemannNão
Túlio GadêlhaPDT PEDeputado FederalNósNão
Tadeu AlencarPSBPEDeputado FederalRapsSim
Paulo MartinsPSCPRDeputado FederalMBLNão
LeandrePVPRDeputado FederalRapsSim
Marcelo CaleroPPSRJDeputado FederalLivres, Agora!, Raps, Lemann, RenovaSim
Paulo GanimeNovoRJDeputado FederalRenovaNão
Alessandro MolonPSBRJDeputado FederalRapsSim
Luiz LimaPSLRJDeputado FederalRenovaNão
Talíria PetronePsol RJDeputada FederalOcupa PolíticaSim
Joenia WapichanaRedeRRDeputada FederalAgora!, RenovaNão
Fernanda MelchionnaPsol RSDeputada FederalVote Nelas, Ocupa PolíticaSim
Diza GonzagaPSBRSDeputado FederalRenovaNão
Rodrigo CoelhoPSBSCDeputado FederalRapsSim
Alessandro VieiraRedeSESenadorRenova, AcreditoNão
Kim KataguiriDEMSPDeputado FederalMBLNão
Tabata AmaralPDT SPDeputada FederalAcredito, Renova, RapsNão
Arnaldo JardimPPSSPDeputado FederalRapsSim
Vinicius PoitNovoSPDeputado FederalRaps, Lemann, RenovaNão
Rodrigo AgostinhoPSBSPDeputado FederalRapsSim
Mara GabrilliPSDBSPSenadorRapsSim
Sâmia BomfimPsol SPDeputada FederalOcupa PolíticaSim
Professor Luiz Flávio GomesPSBSPDeputado FederalRapsNão

Entenda os grupos

Agora!

O grupo pretende “renovar a política a partir do engajamento dos cidadãos comuns” e se identifica como um movimento de ação política com base na sociedade independente, plural, sem fins lucrativos e sem vinculação partidária. Segundo os organizadores, conta com mais de 100 membros em 17 unidades da federação. Seus membros são referências em suas áreas de atuação que compreenderam a urgência de dedicar parte de seu tempo e conhecimento para mergulhar nos problemas e buscar soluções para o país. Visite o site

RenovaBR

O Renova foca em pessoas que nunca foram eleitas e tem por objetivo prepará-las para entrar na política. O movimento contabiliza mais de 6 mil voluntários, que “doam seu tempo, conhecimento e recursos para preparar pessoas comprometidas e realizadoras para entrar na política”, como define o site do grupo. Visite o site

Acredito

O grupo tem como lideranças pessoas jovens, que nunca foram eleitas e defende a renovação do Congresso. Tem como prioridade superar as “profundas desigualdades” do país, que considera ser a principal barreira a ser superada para que o Brasil tenha um “projeto de país mais estável, justo e desenvolvido”. Visite o site

Vote Nelas

O coletivo suprapartidário tem objetivo de ajudar eleitores a escolher e a eleger mais mulheres neste ano. Reúne candidaturas de mulheres de esquerda e de direita. Visite o site

Ocupa Política

Movimento suprapartidário focado no legislativo. Tem origem em outros movimentos, como o Muitas (MG), Bancada Ativista (SP), Chama (RJ) e Agora é com a Gente (PE). Tem como principal objetivo a redução de desigualdades e busca por justiça social. Visite o site

Livres

Movimento com ideais liberais e atualmente suprapartidário. Nasceu em 2016 dentro do PSL, mas abandonou a sigla após o anúncio da filiação do deputado Jair Bolsonaro e seus aliados. Foca em lideranças que, além dos ideais liberais, defendem a liberdade individual, convivência democrática, sensibilidade social.  Visite o site

Raps

O grupo surgiu em maio de 2012 e promove formação e apoio de lideranças com e sem mandatos. Defende a qualidade da democracia, a ética, transparência e sustentabilidade. Visite o site

Nós

Movimento que foca na renovação do legislativo. Prioriza candidaturas que defendam combate à desigualdade e transparência. Visite o site

Frente Favela Brasil

Na fila para se tornar um partido, a Frente Favela Brasil tem como prioridade o combate às desigualdades e “construção de um projeto de oportunidades, a partir do qual todos possam ocupar um espaço digno de sua humanidade”. Foca em candidatas e candidatos negros, moradores da favela e periferias. Visite o site

Brasil 21

Grupo de renovação política, tem origem em projetos desenvolvidos no Rio de Janeiro, em 2011, que contaram com o incentivo de empresários e acadêmicos. Incentiva nomes novos, com foco na redução das desigualdades

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!