Brasil perdeu 4,9 milhões de postos de trabalho entre fevereiro e abril

A taxa de desemprego no país aumentou de 11,2% para 12,6% no trimestre que vai de fevereiro a abril. A falta de ocupação afeta 12,8 milhões de desempregados. As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estátitica (IBGE) divulgada nesta quinta-feira (28). Com isso, são 898 mil pessoas a mais à procura de trabalho.

A PNAD não usa a divisão convencional de trimestres e adota intervalos móveis como “fevereiro, março e abril” e “março, abril, maio”.

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país

>Brasil perdeu 1,1 milhão de empregos formais desde o início da pandemia

De acordo com o IBGE, o indicador reflete os efeitos da pandemia de covid-19 no mercado de trabalho. O percentual da população ocupada teve queda recorde de 5,2%, em relação ao trimestre encerrado em janeiro, ou seja, foi uma perda de 4,9 milhões de postos de trabalho, reduzidos a 89,2 milhões.

Adriana Beringuy, que trabalha na Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, afirma que a crise  influencia tanto entre os informais quanto os trabalhadores com carteira assinada. “Dos 4,9 milhões de pessoas a menos na ocupação, 3,7 milhões foram de trabalhadores informais. O emprego com carteira assinada no setor privado teve uma queda recorde também. A gente chega em abril com o menor contingente de pessoas com carteira assinada, que é de 32,2 milhões”, explica.

>Governo estuda plano B para microempresas caso novo programa dê errado

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!