Governo estuda plano B para microempresas caso novo programa dê errado

O ministro da Economia, Paulo Guedes, avalia implementar um auxílio financeiro para microempresários. O ex-presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Guilherme Afif Domingos, assessor especial do ministro, afirmou ao Congresso em Foco que a ideia inicial é que cada beneficiário receba até R$ 10 mil mensais da União por um período ainda não definido.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

O retorno deve ser vinculado à capacidade do pagamento de impostos dos contemplados após a crise do novo coronavírus. Se estiver em dia com as obrigações tributárias, o microempresário não precisará devolver a transferência. O programa deve ser voltado para microempreendedores, ou seja, aqueles com faturamento anual de até R$ 360 mil.

>Governo destina R$ 15,9 bilhões para fundo de micro e pequenas empresas

Guedes comentou sobre a proposta na reunião ministerial de 22 de abril, divulgada na última sexta-feira, quando disse que o país deveria perder dinheiro com pequenos negócios no momento para ganhar, mais adiante, com as grandes empresas.

“É dinheiro que nós vamos botar usando a melhor tecnologia financeira lá de fora. Nós vamos botar dinheiro, e ... Vai dar certo e nós vamos ganhar dinheiro. Nós vamos ganhar dinheiro usando recursos públicos pra salvar grandes companhias. Agora, nós vamos perder dinheiro salvando empresas pequenininhas”.

Afif ressaltou que a ideia só vai ser posta em prática caso o governo conclua que o Programa Nacional de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Pronampe) não está sendo eficaz. A lei que cria o programa foi sancionada há uma semana  e fornece linhas crédito para micro e pequena empresa a uma taxa de juros igual a Selic, que hoje está em 3%.

De acordo com ex-presidente do Sebrae, o limite baixo dos juros vai dificultar as operações. “É uma ideia do ministro por enquanto. Primeiro temos que colocar o Pronampe. Se o Pronampe não cumprir a missão em função do empossamento do dinheiro dos bancos [a doação para microempresários é posta em prática].” Afif considera que o Pronampe deve ser observado por um mês.

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!