2019 terminou com inflação de 4,31% e famílias mais endividadas

Dezembro de 2019 foi o mês em que as famílias brasileiras mais se endividaram nos últimos nove anos. A inflação em 2019 bateu 4,31%, o setor mais que mais contribuiu para este número foi o de "alimentação e bebidas", que sozinho apresentou alta de 6,37% no ano, o que gerou impacto de 1,57 ponto percentual no total.

> Preço da carne subiu 32,4% em 2019 e inflação bateu 4,31%

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o índice de endividamento em 2019 alcançou 65,6%, sendo este o maior percentual da série histórica desde janeiro de 2010. Em novembro o índice já estava em 65,1%.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que o resultado, apesar de ligar o sinal de alerta, não pode ser considerado negativo. Segundo ele, como o endividamento não foi acompanhado de um aumento expressivo da inadimplência, os dados indicam uma dívida com responsabilidade e compatível com a renda das famílias. “A tendência de alta do endividamento está associada à ampliação do mercado de crédito ao consumidor, impulsionada por fatores como a melhora recente no mercado de trabalho, sobretudo no emprego formal, e a redução das taxas de juros para patamares mínimos históricos, o que permitiu a redução do custo do crédito”, afirma Tadros.

Outro dado que reforça o ponto destacado pelo presidente da CNC é a parcela média da renda comprometida com dívidas, que, apesar de ter aumentado no comparativo anual (29,7% contra 29,3%), recuou em dezembro para o menor patamar desde junho de 2019. “As parcelas estão menores, e as famílias têm conseguido se organizar para acomodar os pagamentos dentro do orçamento mensal”, endossa a economista da CNC responsável pela pesquisa, Marianne Hanson.

> Idec vê ilegalidade em subsídio para conta de luz das igrejas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!