Pelo menos quatro candidatos eleitos em 2020 foram ameaçados de morte

Ao menos quatro vereadores eleitos no dia 15 de novembro estão recebendo ataques e ameaças de morte por e-mail ou redes socias. Os casos foram denunciados e estão sendo investigados pela Polícia Civil de seus respectivos estados.

Em um e-mail enviado a Duda Salabert (PDT - MG), vereadora mais votada de Belo Horizonte, que é uma mulher trans,  a parlamentar eleita é chamada de "pedreiro de peruca". Suéllen Rosim (Patriota - SP), eleita prefeita eleita de Bauru, foi qualificada como "macaca" e "favelada".

Suéllen Rosim é primeira mulher negra a comandar Bauru em 124 anos de história. Em uma das mensagens recebidas por ela, o autor diz: "Bauru não merecia ter essa prefeita de cor com cara de favelada comandando nossa cidade. A senzala estará no poder nos próximos quatro anos".

A outra mensagem, onde a prefeita recebe ameaça de morte, é similar à nota recebida pela vereadora Duda Salabert.  Em ambas as mensagens o intimidador diz: "Eu juro, mas eu juro que vou comprar uma pistola 9mm no Morro do Engenho, aqui no Rio de Janeiro e vou te matar".

Com Salabert ele complementa com " vou esperar as aulas presenciais voltarem, vou invadir uma sala de aula do Bernoulli e vou matar todas as vadias, todos os negros (que infelizmente serão bem poucos, 1 ou 2 cotistas) e depois vou te matar". O agressor ainda ameaça cometer suicídio depois dos assassinatos "depois de matar todas as vadias vou meter uma bala na minha cabeça". Já com Suéllen, a pessoa diz que sabe o endereço de onde ela mora e irá comprar uma passagem apenas de ida a Bauru.

Nas duas mensagens o autor atribui as ameaças à sua atual condição de vida."Enquanto você ganha um salário de vereador - ou prefeita -, eu estou desempregado, minha esposa está com câncer de mama e vivendo de auxílio emergencial", escreveu. A vereadora Salabert afirma que o email foi assinado com o nome de Ricardo Wagner Arouxa. Segundo ela é um nome ligado a um grupo neonazista que atua no país. "O grupo odioso enviou esse mesmo e-mail para a direção da escola. É uma estratégia não só para me intimidar, como também para forçar que a escola e demita".

Outros vereadores eleitos  a sofrerem injúrias e ameaças foram a professora Ana Lúcia Martins (PT-SC), primeira vereadora negra de Joinville, e o vereador Alisson Júlio (Nov -SC), da mesma cidade, que é cadeirante. A professora vinha sofrendo racismo e ameaças na internet quando e vereador foi solidário à sua situação e registrou um BO. A mensagem recebida pelos dois foi explicita: "Eu avisei que se vocês fossem na polícia eu ia ficar sabendo. Pois agora você vai morrer também. Dei um crédito por você ser branco, mas você pisou na bola".

> Câmara aprova MP do programa Casa Verde e Amarela

> “As maricas estão empoderadas”, diz líder LGBT sobre eleições de trans e homossexuais

 

Continuar lendo