Movimento negro vai ao MP contra Sérgio Camargo na Fundação Palmares

Líderes de mais de cinquenta instituições ligadas ao movimento negro do Brasil foram ao Ministério Público contra o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, nesta sexta-feira (20), dia da Consciência Negra. O grupo entregou uma representação por improbidade administrativa à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.

No documento, as instituições ressaltam que Camargo "vem desafiando os limites da ordem jurídica e o real compromisso do Estado Brasileiro com a promoção da igualdade racial".

Os representantes questionam a falta de uso de verba da fundação. De acordo com o documento, até setembro deste ano a pasta usou 47,52% do dinheiro destinado a Fundação, a menor porcentagem desde 2012.

Para Marivaldo Pereira, advogado e militante do movimento negro que articulou a representação, Camargo sabota a Fundação Palmares.

"O que ocorre na Palmares é uma verdadeira sabotagem! Sérgio Camargo está para a Fundação como Ricardo Salles está para o meio ambiente. Ambos foram nomeados para destruir tudo aquilo que conquistamos nas respectivas áreas desde a Constituição de 1988. No lugar de enfrentar o racismo estrutural, o presidente da Palmares reforça a discriminação do nosso povo e tenta apagar nossa história de luta, diz.

Confira o documento:

Sérgio Camargo já retirou da lista de personalidades da Fundação Palmares a deputada Benedita da Silva (PT/RJ), a ex-ministra Marina da Silva, os cantores Gilberto Gil,  Milton Nascimento e Martinho da Vila. Hoje, o gestor da pasta publicou em seu twitter que entrarão para a lista "Mussum, Luiz Melodia, Wilson Simonal, Pixinguinha e outros que merecem".

Ele também usou a frase de Morgan Freeman em protesto ao Dia da Consciência Negra que é comemorado hoje.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!