PF indicia Gleisi e Paulo Bernardo por corrupção passiva

Segundo inquérito da Polícia Federal, a senadora Gleisi Hofffman recebeu R$ 1 milhão do ex-diretor da Petrobras, Paulo Robeto Costa, para financiar sua campanha política. O marido, ex-ministro Paulo Bernardo, intermediou a negociação

A Polícia Federal indiciou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o marido, o ex-ministro das Comunicação Paulo Bernardo, por corrupção passiva em um dos inquéritos da Operação Lava Jato. O inciamento consta em relatório do delegado Thiago Delabary enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) na quarta-feira (30). Segundo o inquérito, a senadora recebeu R$ 1 milhão do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa para financiar gastos com a campanha eleitoral de 2010. Já o ex-ministro é acusado de intermediar o pedido de dinheiro para a campanha da esposa.

O delegado indiciou ainda Ernesto Kluger, um dos homens que teria arrecadado o dinheiro, por corrupção passiva. As acusações são baseadas nas delações premiadas do doleiro Alberto Yousseff e do advogado Antônio Carlos Peruccini. O doleiro nega que tenha sido procurado por Paulo Bernardo, como mostra investigação da PF, mas confirma que repassou o dinheiro a Klunger.

A assessoria da senadora nega a irregularidade e desqualifica os delatores. Gleisi afirma que "são inúmeras contradições nos depoimentos dos delatores" e que isso tira toda a credibilidade dos supostos depoimentos. Segundo a senadora, "um deles apresentou, nada mais, nada menos, que cinco versões diferentes para esses fatos, o que comprova ainda mais que ele não existiram".

Mais sobre a Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!