“Não é crime falar sobre impeachment”, diz Aécio

Igor Estrela

Petistas veem golpismo em discurso pró-impeachment, cuja legitimidade é defendida por Aécio

Candidato derrotado pela presidenta Dilma Rousseff (PT) no segundo turno, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) admite que hoje não há “elementos jurídicos ou políticos” para o impeachment da petista. Embora diga que o assunto não está na “pauta do PSDB”, defendeu a posição de colegas que externaram esse tipo de desejo.

“Não está na pauta do nosso partido, mas não é crime falar sobre o assunto, como fez o senador Cássio Cunha Lima”, disse Aécio em entrevista à Folha de S. Paulo. “Desconhecer que há um sentimento de tamanha indignação na sociedade é desconhecer a realidade”, acrescentou o senador.

Na última segunda-feira (9), o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB) discutiu com o senador petista Lindbergh Farias (RJ) ao afirmar que o debate sobre o impeachment é legítimo. Lindbergh reagiu e disse que esse tipo de manifestação tinha componente golpista.

Em entrevista à repórter Daniela Lima, Aécio disse que Dilma foi “covarde” ao escolher uma pessoa fora de seu círculo, que “provavelmente nem votou nela”, para assumir as decisões dos ajustes fiscais. O tucano se refere ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, próximo de Armínio Fraga, que seria o titular da pasta em sua gestão.

Segundo ele, essa posição desagradou a sociedade em geral, inclusive quem votou nela, por ter evidenciado que a petista “mentiu” na eleição. Ele também criticou a articulação política do novo governo. “Vão parar no Guinness. Nunca vi em tão pouco tempo um governo errar tanto”, declarou à Folha.

Leia a entrevista de Aécio para a Folha de S.Paulo

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Publicidade Publicidade