Congresso em Foco

xx

Para uma história do anticomunismo no Brasil

10.08.2017 09:00 9
Atualizado em 15.08.2017 10:12

Publicidade

9 respostas para “Para uma história do anticomunismo no Brasil”

  1. Antônio Sobral disse:

    Impressionante! Faz lembrar muito a estratégia da esquerda naqueles e nesses últimos anos. Fica muito claro, no texto, o viés esquerdista do autor, pois em nenhum momento ele denuncia que a esquerda usou e tem usado as mesmas práticas.
    Talvez o autor acredite no “os fins justicam os meios”. Assim sendo, não lhe causa indignação, as atrocidades do lado que lhe é simpático.
    Outro ponto é que parece, para o autor, que as pessoas são facilmente manipuláveis e possuem capacidade mínima (ou zero) para fazer uma avaliação crítica. Talvez por isso a esquerda ainda insista nas táticas de influência por propaganda e distorção da realidade, devem acreditar que as pessoas não conseguem analisar os resultados de um regime mesmo quando podem verificar com seus próprios olhos os resultados.

  2. Fábio disse:

    Primeiro, importante registrar que o comunismo não deu certo em lugar algum, ninguém relevante intelectualmente defende essa distopia hoje que gerou tanta iniquidade e miséria. O comunismo tem por essência o autoritarismo, é antidemocrático, apenas por isso deveria ser repudiado por todos.
    No mais, a exemplo de outros países que viveram na pele a desgraça do comunismo, é muito importante criminalizá-lo, tal como fizemos com o nazismo. São duas distopias igualmente genocidas, não há motivo para diferenciá-las. Se o nazismo matou 25 milhões de pessoas no século XX, o comunismo matou 100 milhões. Stálin conseguiu o feito de matar mais do que Hitler.

    • Wagner Alexandre Santos disse:

      Calcule aí: quantos o capitalismo mata por ano. Para simples comparação. O ataque estapafúrdio ao Iraque matou diretamente 240 mil civis e indiretamente mais de um milhão. A repressão nos emirados árabes e na Arábia saudita é tão grande que não há nem mesmo oposição. E são absolutamente capitalistas, Na verdade tenho dificuldades em encontrar um país que não tenha alguma forma de seguridade social, o que é socialista, e os maiores IDHs do mundo estão em sociais democracias, E a China continua firme com seu comunismo. Só mais de um bilhão de pessoas no mundo é comunista. Não deu certo em lugar algum?? Explique como a China detém a maior parte dos títulos da dívida dos EUA. O comunismo não é uma utopia, embora para as liberdades individuais seja um pesadelo, Mas o capitalismo é um pesadelo para os direitos básicos, se não houver um mecanismo de proteção social. É tolice achar que o mundo é todo ele capitalista.

      • Fábio disse:

        Wagner, com todo respeito, discordo de você em quase tudo, exceto quando diz: “o capitalismo é um pesadelo para os direitos básicos, se não houver um mecanismo de proteção social”.
        Não acho que seguridade social ou Estado de bem estar social sejam sinônimos de socialismo/comunismo, nem de longe. Estado social é uma coisa, socialismo é outra.
        Estado social começa a surgir no início do século passado, como forma de controle dos danos causados por uma Revolução Industrial sem limites legais, num cenário em que o Estado não corrigia distorções e não fazia intervenções sociais. Essas foram medidas bem vindas, adotadas em todos os lugares hoje praticamente, mas que regulam os excessos do capitalismo, típicas de um sistema de livre comércio, portanto.
        Socialismo é aquela utopia inviável na prática, por ser incapaz de gerar prosperidade econômica, em que os meios de produção são controlados pelo Estado e há a ditadura do proletariado. Se há democracia, não há socialismo; da mesma forma, se há livre comércio, também não se pode falar em socialismo.
        A China só tem comunismo no nome. É um país ditatorial com um plano econômico mais liberal que o dos EUA hoje.

      • Antônio Sobral disse:

        Wagner, qualquer regime econômico vai gerar mortes por falta de acesso às condições de sobrevivência, sendo que o melhor sistema reduz isso ao mínimo. Mas essas mortes ocorrem por um mal funcionamento do sistema (que infelizmente não é perfeito). A grande diferença é que os regimes comunistas tem matado por deliberação, é proposital. Morre quem ousa discordar do sistema. Morre como penitência dada por uma instituição oficial. Como isso pode ser melhor?

    • Deusimar Filho disse:

      Vocês coxinhas parecem disco arranhado com esses mesmos argumentos, não compensa nem tentar rebater.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via