Deus está nas coincidências

Não faz muito tempo a humanidade deparou-se com dois vídeos, ambos divulgados pelo planeta afora e merecedores de uma ampla e muito profunda reflexão.

O primeiro deles veio da China. Mostra uma indefesa criança de apenas dois anos de idade, andando bem no meio de uma passagem bastante movimentada. O nome desta semelhante nossa: Yueyue.

Eis que surge uma van branca, conduzida por um motorista que simplesmente não teria como não ver a criança exatamente no meio da passagem, trajando uma vistosa calça vermelha.

Leia mais

Apesar disso, seguiu-se um atropelamento. A roda dianteira direita do veículo passa sobre o frágil corpo de Yueyue. O motorista interrompe a marcha. Seria para saltar e ver o que havia pelo caminho? Não: foi apenas para tomar impulso a fim de que a roda traseira direita do veículo passasse com mais facilidade sobre a menina, que ficou largada no chão se esvaindo em sangue.

Porém, o mais chocante viria em seguida. Um ser humano passou andando a não mais do que 15 cm do corpo da infeliz criança, e sequer diminuiu o passo. Segue-se outro em uma bicicleta, que viu Yueyue caída no chão, desviou-se dela e da poça de sangue que se formava e foi embora sem sequer olhar.

Aí aparece um pequeno caminhão e atropela novamente a indefesa criança. Atropela e vai embora. Em seguida passam dois veículos de entrega ao lado do corpo estendido no chão. Sequer reduzem a marcha. Segue-se em terceiro. Uma outra motocicleta. Um outro pedestre. E mais duas motocicletas. E outros dois pedestres. E continua ali, no asfalto, sangrando, uma criança - o futuro da nossa raça.

Eis que aparece, então, no meio de tantas pessoas ocupadas demais com seus afazeres diários, uma miserável catadora de lixo. Parece incrível, mas foi a única pessoa que preocupou-se em retirar a criança do meio de uma movimentada rua. E só então alguns conhecidos apareceram para prestar socorro.

O segundo vídeo veio do outro lado do mundo, lá do Chile. Foi feito pela câmera de segurança de uma das mais movimentadas rodovias daquele país, a Costanera. Trata-se de uma via de três faixas para cada mão, pela qual os veículos passam em velocidades próximas de 100 km/h.

E eis que um infeliz cachorro é atropelado por um caminhão e fica lá, ferido, entre a primeira e a segunda faixa da rodovia. Outros carros e caminhões continuam passando a centímetros dele, sempre em alta velocidade.

O que se viu em seguida foi emocionante: um segundo cachorro aparece, e vai para o meio da estrada. Fica junto do seu semelhante. E começa, da forma mais surpreendente possível, uma tocante operação de resgate.

Este segundo cachorro começou a puxar o primeiro para o acostamento, antes que um novo atropelamento acontecesse. Tocou-me o coração ver que ele não fez isso com os dentes, ou de forma brusca. Não. Com as patas dianteiras, milímetro a milímetro, foi arrastando seu semelhante até a beira da estrada. Não mostrou, em um momento sequer, medo diante do risco de vida que corria - a indomável vontade de salvar seu semelhante foi maior até mesmo que o instinto de sobrevivência.

O final deste episódio foi feliz: o cachorro acidentado, atendido em seguida por uma equipe de resgate, sobreviveu. Enquanto isso, lá na China, Yueyue teve morte cerebral. Faleceu.

Que coincidência esses dois vídeos terem surgido para o mundo ao longo de uma mesma semana! Mas terá sido mesmo coincidência? Segundo Nelson Rodrigues, “Deus está nas coincidências”. Que tal meditarmos sobre isso?

Mais textos de Pedro Valls Feu Rosa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!