De joelhos, nunca mais

Com bem observa Marco Aurélio Weissheimer, editor da Carta Maior, as eleições presidenciais brasileiras, ao contrário do que sugere a claustrofóbica imprensa local, não ocorrem numa ilha isolada do mundo, como tampouco a guinada ultra-conservadora e fundamentalista adotada por José Serra, antigamente (bem antigamente) ele próprio desenvolvimentista. Neste momento, milhões de pessoas na Europa, vítimas duma megacrise provocada pelos ideólogos do Estado mínimo e supremacia dos mercados financeiros, saem às ruas em protesto. E protestam contra o quê? Contra as faturas que estão sendo depositadas em suas contas para que paguem pelo estrago feito por bancos, especuladores e uma ampla gama de delinquentes financeiros.

O Brasil só não está imerso nessa crise porque os representantes da delinquência financeira foram apeados do poder há oito anos. E por “representantes da delinquência financeira” leiam-se FHC, Serra & asseclas demotucanos. Por isso – e não só isso – sapateiam, movendo céus e terras para voltar.

O historiador Luiz Alberto Moniz Bandeira, em entrevista recente, observa que o atual processo eleitoral foi infectado por uma intensa campanha terrorista, uma guerra psicológica promovida não apenas pela direita, mas pela extrema-direita, representada pela TFP, OPUS DEI e núcleos nazistas do Sul, sustentada por interesses estrangeiros, que financiam a campanha contra a política externa do presidente Lula, pois não lhes interessa a projeção do Brasil como potência política global.

Para ele, os dois projetos em disputa são definidos: o Brasil como potência econômica e política global, socialmente justo, militarmente forte, é defendido pela candidata do PT, Dilma Roussef; o outro, representado por Serra, candidato do PSDB-DEM, é o do Brasil submisso às diretrizes dos Estados Unidos, com sua economia privatizada e alienada aos interesses aos estrangeiros. Evidentemente, os Estados Unidos – seja qual for o governo – não querem que o Brasil se consolide como potência econômica e política global, integrando toda a América do Sul como um espaço geopolítico com maior autonomia internacional.

A mudança dos rumos da política externa, como Serra e seus mentores diplomáticos pretendem, teria profundas implicações para a estratégia de defesa e segurança nacional. Ela significaria o fim do programa de reaparelhamento e modernização das Forças Armadas, a paralisação do desenvolvimento de tecnologias sensíveis, ora em curso, mediante cooperação com a França e a Alemanha, países que se dispuseram a transferir know-how para o Brasil, ao contrário dos Estados Unidos.

Desde a campanha de 2002, Serra se declarou contra o Mercosul como união aduaneira, optando por sua transformação em uma área de livre comércio, compatível com o projeto da Alca, que os Estados Unidos tratavam de impor aos países da América do Sul e que o Brasil, apoiado pela Argentina, inviabilizou. Se a Alca tivesse sido implantada, a situação do país seria desastrosa em vista da profunda crise econômica e financeira dos Estados Unidos de 2008, como aconteceu com o México.

O governo do presidente Lula, tendo o embaixador Celso Amorim como chanceler, considerado pela revista Foreign Policy (EUA) o melhor do mundo na atualidade, alargou as fronteiras diplomáticas do Brasil. Seus resultados são visíveis em números: sob o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, as exportações brasileiras cresceram apenas US$ 14 bilhões, subindo de US$ 47 bilhões em 1995 para US% 61 bilhões em 2002. No governo do presidente Lula, as exportações brasileiras saltaram de US$ 73 bilhões de dólares em 2003, para US$ 145 bilhões em 2010: ou seja, dobraram. Aumentaram cinco vezes mais do que no governo FHC.

Esses números evidenciam o sucesso da política externa atual, que ampliou e diversificou os mercados no exterior. Mas há outro fato que vale ressaltar para mostrar a projeção internacional do Brasil: em dezembro de 2002, último ano do governo FHC, as reservas brasileiras eram de apenas US$ 38 bilhões. Sob o governo Lula, as reservas brasileiras saltaram de US$ 49 bilhões em 2003, para US$ 280 bilhões em outubro de 2010. Tais números significam uma enorme redução da vulnerabilidade do Brasil face aos capitais estrangeiros.

Moniz Bandeira lembra a crise de 1999: “No início do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, em apenas seis dias, entre 6 e 12 de janeiro de 1999, o Brasil perdeu mais de US$ 2 bilhões para os especuladores e investidores internacionais, suas reservas caíram cerca de US$ 4,8 bilhões em apenas dois dias! Os capitais, em torno de US$ 500 milhões por dia, continuaram a fugir ante o medo de que o governo congelasse as contas bancárias e decretasse moratória. Os bancos estrangeiros cortaram 1/3 dos US$ 60 bilhões em linhas de crédito interbancário a curto prazo que haviam fornecido ao Brasil desde agosto de 1998. A fim de não mais perder reservas com a intensa fuga de capitais, não restou ao governo FHC outra alternativa senão abandonar as desvalorizações controladas do real e deixá-lo flutuar, implantando o câmbio livre.

A diferença fundamental entre os governos Lula e FHC? Moniz Bandeira se reporta a um fato simbólico: “O chanceler Celso Amorim esteve nos Estados Unidos muitas vezes e, ao que se sabe, nunca tirou os sapatos no aeroporto, ao ser vistoriado pelos policiais. Já Celso Lafer, chanceler de Fernando Henrique Cardoso, submeteu-se a esse vexame, humilhando-se, degradando sua função de ministro de Estado e o próprio país, o Brasil, que representava. E este homem, que hoje ataca a política externa do presidente Lula, é um dos mentores de Serra.”

É isso aí: o Brasil de joelhos nunca mais.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!