Mourão fala em redução de desmatamento e queimadas “ao mínimo aceitável”

“Vamos buscar reduzir ao mínimo aceitável os índices de desmatamento e queimada, demonstrando, com isso, à comunidade internacional e à sociedade brasileira esse nosso compromisso, deixando claro que desmatamento zero e desenvolvimento econômico não são excludentes”, disse o vice-presidente Hamilton Mourão em coletiva de imprensa após reunião do Conselho Nacional da Amazônia Legal nesta quarta-feira (15).

Mourão também informou que os ministérios do Meio Ambiente e da Economia vão produzir estudo sobre a possibilidade de abertura de concurso para contratação de pessoal para os órgãos de combate a delitos ambientais. Os concursos públicos estão suspensos no país até dezembro de 2021, como parte das medidas para enfrentamento do novo coronavírus. Segundo ele, é preciso recuperar a força de trabalho e a capacidade operacional desses órgãos.

A pasta comandada por Paulo Guedes também deverá se debruçar sobre uma forma de incluir doações para ações de preservação da Amazônia fora do Orçamento da União. A ideia é separar os recursos para proteção da Amazônia do restante do orçamento destinado ao meio ambiente. Ainda não há detalhes sobre a proposta.

Garimpo ilegal

O vice-presidente disse que garimpo na terra indígena Yanomami é recorrente. “Faz parte até da vida econômica daquele estado”, disse ele. A situação da pandemia, com decréscimo da atividade econômica e desemprego, são condicionantes que levam muita gente a buscar forma alternativa de sustentar a família, disse. Segundo ele, há determinação da justiça para apresentar planejamento de retirada desses garimpos.

“Retirada desses garimpeiros não é processo simples. O meu dileto instrutor, general Heleno, fez uma observação: retirar os garimpeiros de lá não é a mesma coisa que retirar camelôs da Avenida Presidente Vargas, no Rio de Janeiro. É uma operação complexa. Isso está sendo estudado, está sendo debatido, aguardando as decisões finais”, ponderou.

Sobre apreensão de equipamentos usados em ações ilegais, como desmatamento e garimpo, Mourão disse que a apreensão é a primeira medida a ser tomada e que a destruição dos equipamentos é a última linha de ação. “Não existe nenhuma proibição de destruição de equipamento. Agora nós temos dado prioridade para apreender esse equipamento”, disse.

Relator da prisão em 2ª instância quer medida para todas as áreas do direito

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!