Relator do orçamento diz que novo benefício deve ficar entre R$ 200 e R$ 250

O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator do orçamento de 2021, disse nesta sexta-feira (18) em entrevista à Rádio Bandeirantes que o valor do novo programa social do governo não deve ir muito além do que é o Bolsa Família.

De acordo com ele, a ideia é que benefício em 2021 seja entre R$ 200 e R$ 250. O Bolsa Família paga em média R$ 190.

“Você tem aí, tirando o orçamento que está carimbado para o Bolsa Família, tem que buscar R$ 30 bilhões, a conta não é fácil. É possível, estou falando de hipótese, é possível que o programa nasça para o primeiro ano com o valor menor para subir no outro ano e no máximo no final do ano que vem a economia brasileira estará voltando a crescer. O que se imagina é que a partir do segundo ano você vai ter um movimento inverso, pessoas saindo do programa pelo aquecimento econômico”, declarou o emedebista.

> Presidente da Comissão do Orçamento cobra do governo recursos para renda mínima

A ideia inicial do governo era que o programa pudesse chegar a R$ 300, que é o valor atual do auxílio emergencial. No entanto, após o veto do presidente Jair Bolsonaro na sugestão de cortes de outros benefícios sociais, há pouca margem para destinar verba para o benefício.

“O que considero fundamental, que seja de R$ 200 no primeiro ano, que já seria maior do que Bolsa Família, ou que a gente consiga chegar até R$ 250. O problema é simples, tem que tirar de algum lugar e quando você pega o orçamento do país, vem praticamente com 96% engessado, por isso que na outra PEC [do Pacto Federativo], aliás vai ser uma coisa só, proponho a desvinculação”, disse Bittar, que prometeu para a semana que vem a entrega do texto do programa social.

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!