Kajuru diz que se candidata para criticar Alcolumbre, mas votará em Tebet

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) diz que vai manter sua candidatura à presidência do Senado até o último instante e que seu objetivo é ter tribuna para criticar a gestão do atual presidente, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o seu candidato, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Mas o senador afirma que não vai votar em si, mas na principal adversária de Pacheco, a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

> Câmara confirma PSL no bloco de Lira e deputado tem maior grupo

Kajuru adiantou ao Congresso em Foco que pretende utilizar os 30 minutos concedidos aos candidatos no dia da eleição, em 2 de fevereiro, para relatar o que tem acontecido no Senado. A situação é descrita por ele como o que há de "mais sujo e podre". Ao final, entretanto, ele pretende declarar o seu voto em Simone.

Segundo o senador, Davi Alcolumbre foi um "office boy de luxo" do presidente Jair Bolsonaro em seus dois anos de mandato. "Alcolumbre conseguiu ser pior do que Renan Calheiros", ressalta, em alusão ao ex-presidente da Casa, alvo de diversas investigações.

"A gente precisa de um presidente que saiba dizer não para o presidente da República", defende.  Isso, segundo ele, não aconteceu durante o mandato de Davi Alcolumbre e também não acontecerá no caso de eventual eleição do senador Rodrigo Pacheco. "Nós estamos trocando um office boy por outro", afirma.

>Ministério Público abre investigações em busca de fura-filas de vacina

 

 

Continuar lendo