Com ex-secretário de Saúde no Senado, CPI da Covid acabou em “CPI do DF”

Após a ausência do lobista Marconny Albernaz, a CPI da Covid ouviu nesta quinta-feira (2) o ex-secretário de Saúde do Distrito Federal Francisco Araújo. Ao longo do depoimento de Francisco Araújo a reunião foi sendo esvaziada pelos senadores. Os parlamentares do DF dominaram a bancada da CPI.  O depoente negou a maioria dos questionamentos dos senadores e aproveitou a oitiva na Comissão para se esquivar das acusações que são feitas a ele na Operação Falso Negativo.

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) assumiu a relatoria da CPI. Ele apresentou um organograma da Secretaria de Saúde do DF que Francisco Araújo disse desconhecer.  Após o questionamento de Izalci, o depoente informou que estava à disposição da Comissão para falar sobre a operação Falso Negativo e não sobre a gestão da Saúde do DF e preferiu exercer o direito de ficar calado. Ele possui um  Habeas Corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que dá o direito de não responder perguntas que podem o incriminar.

Em alguns momentos, o depoente chegou a levantar a voz para alguns senadores e afirmar que o senador Izalci Lucas já foi seu aliado. A convocação do ex-secretário partiu do senador do PSDB. Apesar de não ser membro da Comissão, Izalci exerceu pressão na cúpula da CPI para convocar Francisco. O senador ocupa a vaga de titular na CPI após o afastamento do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) da Comissão.

"Meu telefone foi apreendido. Mas eu quero pedir a esta Comissão que... À época do início da pandemia, o Senador Izalci me mandava diversas mensagens indicando pessoas. E eu sempre dizia: "entre, participa do certame". Como o meu telefone está apreendido, eu gostaria que fosse requisitado o telefone do senador", disse Francisco se referindo a indicações na pasta da Saúde do DF.

O ex-secretário de Saúde do Distrito Federal Francisco Araújo negou relação com qualquer pessoa ligada à Precisa Medicamentos, farmacêutica ligada em negociações suspeitas de aquisição de vacinas pelo Ministério da Saúde.

“Não tenho nenhum tipo de relacionamento com a Precisa Medicamento. Não conheço os donos da empresa, eles participaram de um certame, como todos os outros”, disse.

Em resposta ao senador Renan Calheiros (MDB-AL), Francisco disse que a sua indicação para a secretaria de Saúde foi "técnica" e não política negando relações com o deputado Ricardo Barros (PP-PR) e partido Progressistas, a principal sigla do Centrão que domina o Ministério da Saúde.

Francisco Araújo admitiu que é padrinho de casamento de Fábio Gonçalves Campos. Segundo o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), Campos tentou fraudar licitação para compra de equipamentos pela pasta.

"Ele [Fábio] utilizou nome da empresa de um amigo para vender seus produtos para a Secretaria de Saúde do Distrito Federal", apontou Renan.

Consequências para Marconny Albernaz 

Antes da presença de Francisco Araújo, a CPI  decidiu acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir a  condução coercitiva de Marconny Albernaz e a polícia legislativa passou a buscar o depoente, que está com o paradeiro não idenficado, para garantir que ele compareça ao colegiado nesta quinta. Os senadores encontraram um elo que liga o advogado ao filho 04 do presidente Jair Bolsonaro, Jair Renan.

Os senadores também estudam um pedido de prisão preventiva dele. "Estamos procurando a localização dele em alguns endereços de Brasília e caso não consigamos localizar ele, vamos pedir a prisão preventiva", Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Vieira disse afirmou que, quando a sessão for retomada, a comissão discutirá  a prisão do lobista.

“Nós teremos a oitiva do ex-secretário do DF e ao mesmo tempo uma parte administrativa para votação de requerimentos - condução coercitiva e prisão provisória do Marconny”, disse o senador.

O pedido de condução coercitiva do advogado foi encaminhado pelo presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM). No documento, a CPI pediu que fosse determinação com "máxima urgência”. O pedido deve ser analisado pela ministra do STF,  Cármen Lúcia. Os senadores alegam que Faria tentou de tudo para não comparecer.

Leia a íntegra do documento. 

Apreensão de passaporte

No início da sessão, os senadores aprovaram o requerimento de retenção do passaporte do lobista Marconny. Também foi aprovado a proibição de que ele se desloque da cidade onde reside sem prévia autorização da comissão; que ele indique telefone e e-mail à CPI para que seja contatado, caso haja necessidade. O pedido havia sido formalizado pelo senador Randolfe Rodrigues, que também pediu a comunicação à Interpol. De acordo com o senador, o lobista estaria arquitetando uma fuga do país.

Entenda

Marconny é apontado pela CPI como suposto lobista da Precisa Medicamentos, empresa que se apresentou ao Ministério da Saúde como atravessadora na negociação para a aquisição da vacina indiana Covaxin. Tal contrato, cujas irregularidades foram denunciadas pelo deputado Luís Miranda (DEM-DF) e por seu irmão, Luís Ricardo, funcionário do Ministério da Saúde, acabou cancelado.

O lobista chegou a apresentar um atestado médico para não comparecer à CPI. Mas, de acordo com o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o médico que dera o atestado entrou em contato para dizer que pretendia cancelar o documento porque desconfiara da atitude de Marconny, imaginando que poderia ter havido “simulação” da parte dele. Diante da manifestação do médico, a CPI manteve o depoimento.

Além da atuação no negócio da Covaxin, a CPI deverá questionar o advogado sobre a sua relação com a família do presidente Bolsonaro. Jair Renan, filho do presidente, abriu uma empresa de eventos com a ajuda de Marconny. Conversas no telefone do advogado, obtidas pela CPI, apontam para mais de uma centena de mensagens trocadas entre Marconny e Jair Renan.

> Siglas aproveitam popularidade da CPI para testar nomes de olho em 2022

> CPI inclui Onyx Lorenzoni e Luciano Hang na lista de investigados

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo