Deputado bolsonarista pede à PF que investigue Felipe Neto

O deputado José Medeiros (Podemos-MT) pediu que a Polícia Federal investigue a deputada Sâmia Bomfim (Psol-SP), o deputado Glauber Braga (Psol-RJ),  o youtuber Felipe Neto e o candidato a prefeito de São Paulo Guilherme Boulos com base na lei de segurança nacional pela participação e apoio ao ato denominando "Antifa", que aconteceu no dia 31 de maio deste ano. O pedido de investigação foi protocolado no dia 1 de junho, mas só agora os nomes de todos os citados por Medeiros foram revelados. Leia a íntegra aqui.

De acordo com o pedido do deputado, o ato que ocorreu na Avenida Paulista foi violento. Segundo ele, os Antifas  "iniciaram confrontos com os manifestantes pró-governo, agrediram cidadãos, depredaram patrimônio público, entraram em confronto com policiais e os agrediram,  protagonizando cenas de barbárie na capital paulista".

Segundo o pedido de investigação, "tais cenas foram aterrorizantes e demonstram a vontade desse grupo em promover processos violentos para alteração da ordem política social" e isso "fere claramente a lei de segurança nacional em seu art. 23.".

Para José Medeiros,  a participação dos parlamentares no ato "é impensável" e "não bastasse a violência", o evento foi exaltado e comemorado pelo youtuber Felipe Neto e pelo candidato Guilherme Boulos.

Já é a segunda vez que o deputado pede a investigação de Guilherme Boulos. Em abril, além de Boulos, o deputado pediu que a PF  a  investigasse o jornalista Ricardo Noblat e o deputado Túlio Gadelha (PDT-PE). Ele também justificou o pedido com base na lei de segurança nacional, por acreditar que as atividades dos três configuravam em  "ameaças, incitações e insinuações de violência contra o chefe do executivo"  Confira o documento.

Segundo José Medeiros, Noblat postou em seu twitter a frase, “Do jeito que vão as coisas, cuide-se Bolsonaro para que não apareça outro louco como o Adélio”. Já o deputado Túlio Gadelha, " curtiu o comentário de uma seguidora que sugeria dar uma facada verídica no presidente da República", e Guilherme Boulos postou em seu twitter a frase,  “um lembrete para Bolsonaro: a dinastia de Luís XIV terminou na guilhotina....”

O três deputados alvos de pedido de investigação informaram ao Congresso em Foco que estavam cientes da ação de José Medeiros, mas que  ainda não foram notificados pela Polícia Federal.  A deputada Sâmia Bomfim classificou a ação do parlamentar como "tentativa de intimidação", e disse que vai continuar participando de manifestações. "Vamos seguir denunciando o governo e construindo a luta antifacista", disse.

Para o deputado Glauber Braga, a ação do deputado é em busca de "manchetes". "Ele não consegue construir nada que seja  positivo, é uma ação intimidatória, algo que consiga garantir algumas manchetes para ele se apresentar como um adulador de Bolsonaro", concluiu.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!