CPI da Covid inicia a semana resgatando crise de Manaus

A CPI da Covid recebe, nesta terça-feira (15), o ex-secretário de Saúde  do Amazonas Marcellus Campelo. Após o habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ao governador  Wilson Lima, para que ele não prestasse depoimento ao colegiado, os senadores da comissão pretendem aprofundar a investigação sobre a crise de oxigênio no Amazonas pelo depoimento de Campelo.

O ex-secretário é investigado por desvio de recursos na saúde do estado  junto com o governador Wilson Lima na operação Sangria, da Polícia Federal. Marcellus Campelo pediu demissão do cargo no dia 7 deste mês. Ele chegou a ser preso no dia 2 de junho na operação da PF, mas foi solto no mesmo dia porque o prazo da sua prisão temporária expirou.

Em entrevista à CNN, Campelo disse que saiu do cargo para facilitar a investigação da PF sobre a corrupção na Saúde do Amazonas. Apesar disso, ele continua no governo do estado. Atualmente é coordenador da Unidade Gestora de Projetos Especiais, responsável pelo Programa Social dos Igarapés em Manaus.

Os senadores devem questionar o ex-secretário sobre os desvios de recursos na sua gestão, a falta de oxigênio para atender pacientes durante a crise da pandemia em janeiro deste ano, a comunicação com o governo federal e o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.  durante o colapso no estado e as recomendações do Planalto para o uso de cloroquina e ivermectina como tratamento precoce para a covid-19.

Dois parlamentares integrantes da CPI já foram governadores do Amazonas. Omar Aziz (PSD-AM), presidente da Comissão, e Eduardo Braga (MDB-AM), pretendem diagnosticar se o problema da crise no estado que matou mais de trinta pessoas em dois dias por covid-19 foi culpa do governo federal ou ineficiência da gestão estadual.

A estratégia de convocar os secretários de saúde dos estados que estão sob investigação da Polícia Federal por corrupção na saúde está entre os planos dos senadores da CPI. Isso porque existe uma expectativa que o STF conceda a liminar para desobrigar os governadores convocados a comparecerem a CPI. Os parlamentares já informaram que também pretendem enviar convites aos governadores para a ida ao colegiado, caso eles não possam ser convocados nem como testemunhas ou investigados.

Previsão é de que Witzel também seja ouvido

Outros depoentes previstos para a CPI da Covid nesta semana são o ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, o empresário Carlos Wizard e os médicos Ricardo Dimas Zimmermann e Francisco Eduardo Cardoso Alves. Estes depoimentos ainda não estavam confirmados até a tarde do domingo (13).

Os senadores pediram a condução coercitiva do empresário Wizard. De acordo com os parlamentares, ele ainda não respondeu a convocação para a CPI enviada pelo Senado. A suspeita é  que ele esteja nos Estados Unidos.

O Brasil atingiu 486.272 mortes por covid-19 no país. Desde o mês de fevereiro deste ano, o país passou a registrar a média móvel de dois mil mortos pela doença por dia. A vacinação contra a covid-19 iniciou em janeiro deste ano, mas só alcançou 11% da população brasileira até o momento.

Estados e municípios cobram o governo federal por novas doses dos imunizantes para ampliar os grupos de vacinação. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que três milhões de imunizantes da Jassen chegam ao país na terça-feira (15).

> Um dia antes da Copa América, Queiroga anuncia vacinas

> Governadores devem ser liberados de CPI pelo STF, diz defesa de Wilson Lima

Continuar lendo