Assistente de Pazuello pede que CPI suspenda quebras de sigilo

Após o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), pedir no último dia (7) que senadores integrantes do colegiado justificassem o motivo das quebras de sigilos dos investigados na Comissão, o marqueteiro Markinhos Show que integrou o Ministério da Saúde na gestão de Eduardo Pazuello solicitou à CPI a suspensão da determinação da suas quebras de sigilo telefônico e telemático.

Em documento protocolado na Comissão, Marcos Eraldo Arnoud Marques justifica que o pedido da quebra de sigilo antes do seu depoimento ao colegiado “não guarda justo motivo, para ser efetivado neste momento”.

“A agressiva e invasiva quebra de sigilos sem que antes haja a CPI me ouvindo e sem motivos específicos (não genéricos), configura excessiva medida neste momento”. Markinhos destacou que vai comparecer ao Senado “espontaneamente” assim que for convocado.

Além disso, solicitou que a CPI respondesse sua solicitação até esta sexta-feira (9), e disponibilizou os seus contatos no ofício enviado aos senadores. Ele também informou que procurou a Comissão por meio de telefone, mas que não foi atendido.

O depoimento do ex-marqueteiro foi marcado no início dos trabalhos da CPI pelos senadores, mas foi desmarcado e não houve retorno da data em que a oitiva poderia acontecer. Neste momento, a CPI está focada em investigar as irregularidades das negociações das compras das vacinas Covaxin. O nome de Markinhos não tem sido citado. 

No depoimento desta quinta-feira (8), os senadores permitiram que a ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, Franciele Fatinato, deixasse a sua condição de investigada para se tornar testemunha durante o depoimento. O senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse que Fantinato teve as quebras de sigilo anuladas porque "convenceu a todos e deu declarações incisivas contra  governo". 

A solicitação das quebras de sigilo de Markinhos foi do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). No requerimento aprovado pela CPI no dia 29 de abril,  o parlamentar justifica que é necessário esclarecer de quem era as tomadas de decisão na comunicação do Ministério da Saúde. Até o momento os senadores não responderam a solicitação do ex-marqueteiro.

> Alessandro Vieira: “Bolsonaro não consegue desmentir Luis Miranda”

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo