Cid Gomes defende apoio da oposição a candidato de Maia na Câmara

O senador Cid Gomes (PDT) é a favor de que os partidos de oposição ao governo de Jair Bolsonaro fiquem ao lado de Rodrigo Maia (DEM-RJ) nas eleições para a presidência da Câmara, em fevereiro de 2021.

Na quinta-feira (19), Maia esteve em Fortaleza (CE) e se reuniu com os irmãos Ciro e Cid Gomes, o governador Camilo Santana (PT-CE), e o líder da minoria, deputado José Guimarães (PT-CE).

Perguntado pelo Congresso em Foco se o apoio do PDT está definido, Cid Gomes disse: "não, ainda não, mas defenderei que participe".

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

>Maia busca PSL, ala do Centrão e oposição para definir sucessão na Câmara

Maia ainda não decidiu quem vai apoiar para ser o seu sucessor, mas já articula a formação de um bloco. Os deputados Baleia Rossi (MDB-SP), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Marcos Pereira (Republicanos-SP) e Luciano Bivar (PSL-PE) tentam ser candidatos do grupo.

"Ele acha e eu concordo que é para primeiro fazer um bloco, define as diretrizes, faz o bloco e na sequência resolve", disse o senador do PDT.

O pedetista acredita que todos os partidos progressistas estarão ao lado do grupo de Maia na disputa contra Arthur Lira (PP-AL), que é o candidato do governo.

Além da oposição, Maia tem no seu radar de alianças o MDB, PSDB, Republicanos e PSL. Lira tem como aliados, além do PP, o PL e o PSD, que têm atuado como base de Bolsonaro.

Em outubro do ano passado, em meio a uma disputa entre Câmara e Senado sobre os critérios de divisão dos recursos do pré-sal, texto relatado por Cid, o senador fez um duro discurso contra Arthur Lira.

“Trabalhei na campanha do deputado Rodrigo Maia [para presidente da Câmara em 2019], mas o que está acontecendo lá é que o presidente está se transformando numa presa de um grupo de líderes liderado por aquele que, podem escrever o que estou dizendo, é o projeto do futuro Eduardo Cunha brasileiro.”

Eleições 2020 e 2022

Sobre o desempenho do partido nas eleições municipais, o senador disse:"A gente fez alianças com o PSB, com a Rede e com o PV. O PDT foi o que mais fez prefeitos, dos partidos progressistas, e estamos nos segundo turno em Recife, Fortaleza, com candidatos ou apoiados, que a gente tem o vice. Recife, Fortaleza, Aracaju, Belém…"

Cid Gomes também falou sobre os diferentes tipos de alianças construídas pelo PDT visando a disputa presidencial de 2022. "Há dois movimentos que estamos atentos e dispostos a integrar. Um movimento é o arco de alianças com partidos progressistas já em curso, PSB, PDT, PV e Rede, sempre aberto a participação de mais".

O congressista disse que há um diálogo do PDT com o DEM, principalmente por meio de Rodrigo Maia e do presidente do partido, ACM Neto, que também é prefeito de Salvador (BA). Neto conseguiu eleger o aliado Bruno Reis (DEM) como sucessor na capital baiana. A vice de Reis, Ana Paula Matos, é do PDT.

"Há um outro movimento que tem a ver com essa eleição da Câmara, que é uma coisa centro-progressista e alguns partidos que tem mais uma linha de independência em relação a Bolsonaro, de centro e partidos progressistas. Isso que eu acho que vai vingar na eleição da Câmara".

Questionado se o fato de ter dois ministérios no governo de Jair Bolsonaro enfraquece o discurso de independência do DEM, Cid negou: "Foram escolhas diretas de Bolsonaro, não foram escolhas partidárias".

>Ciro e Doria usam eleição municipal para costurar alianças em 2022

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!