Evangélicos negam indicação, mas aprovam Milton Ribeiro para Educação

A Frente Parlamentar Evangélica negou interferência na nomeação do novo ministro da Educação, o pastor Milton Ribeiro, anunciado hoje pelo presidente Jair Bolsonaro. Segundo o coordenador da bancada, deputado Silas Câmara (Republicanos-AM), nomeação de ministro é prerrogativa do presidente da República e não houve sugestão de nomes.

Pastor Milton Ribeiro é o novo ministro da Educação

“A gente acredita na capacidade do presidente de escolher o melhor para o Brasil e também comprometido com as bandeiras da campanha”, afirmou o deputado ao Congresso em Foco. “Me irrita profundamente a imprensa dizer que os evangélicos do Brasil, ou a Frente Evangélica do Brasil ou a ala evangélica do governo estava tentando nomear A, B ou C. Isso é mentira deslavada. Nós nunca vetamos nomes de ninguém, nem nunca participamos de escolha de nenhum ministro”, continuou.

Câmara disse conhecer Milton Ribeiro e afirmou que ele possui um “ótimo” currículo e é um “belíssimo quadro técnico”. Segundo o currículo acadêmico na plataforma Lattes, atualizado em abril deste ano, Ribeiro é graduado em Teologia e Direito, fez mestrado em Direito Constitucional pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). É também membro do Conselho Deliberativo do Instituto Presbiteriano Mackenzie, mantenedora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, da qual foi vice-reitor e reitor em exercício.

O coordenador da bancada evangélica afirmou que a perspectiva para gestão de Ribeiro é positiva. Ele acredita que não haverá exagero no comportamento ideológico, “embora ele com certeza seja uma pessoa de fé cristã e comprometido com Deus, com a família”.

Na mesma linha, o deputado Marco Feliciano (Republicanos-SP), integrante da chamada tropa de choque do presidente Bolsonaro no Congresso, negou que a bancada tenha interferido na escolha do presidente.

Pastor Milton Ribeiro é o novo ministro da Educação

Para parte da oposição, a nomeação de Milton Ribeiro é vista com ressalvas. O líder da Minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE), reafirmou que as políticas educacionais devem se nortear pela laicidade do Estado.

Milton é um nome associado à ala evangélica, mas não era o único cotado por esse grupo. O presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Benedito Guimarães Aguiar Neto, e o reitor do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), Anderson Correia, eram outros nomes ventilados pelo grupo. Também entrou na lista o atual líder do governo na Câmara, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), que Bolsonaro disse ser uma opção “reserva”.

Morre ex-deputado Alfredo Sirkis

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!