Ministério Público vai investigar Pazuello por improbidade administrativa

A Procuradoria da República no Distrito Federal (PR-DF) abriu um inquérito contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para apurar se o general da ativa cometeu atos de improbidade administrativa.

A investigação vai focar, por exemplo, na compra pela pasta de medicamentos ineficazes contra a covid-19, e no aplicativo desenvolvido pelo ministério que indicava cloroquina e ivermectina de maneira indiscriminada.

Leia a íntegra do ofício da PR-DF:

O primeiro a ser acionado pelo ofício da Procuradoria da República é o Conselho Federal de Medicina (CFM), que deve se manifestar sobre o Trate-Cov, o aplicativo que receitava quase que automaticamente um coquetel de remédios ineficazes contra a covid-19.

O conselho deve indicar se o uso do Trate-Cov representa violação ética e se há estudos embasando as prescrições feitas pelo aplicativo.

O ministro da Saúde deve responder por quê o aplicativo saiu do ar e se houve mesmo um ataque hacker que o tornou público – como declarou a pasta após a ferramenta ser alvo de questionamentos.

A fim de ter um cenário maior sobre o uso dos medicamentos, a fabricante da ivermectina e o Exército – que produziu cloroquina – também devem se manifestar à PR-DF.

Em outro braço da mesma investigação, os procuradores também solicitaram informações das fabricantes de vacinas contra a covid-19 para saber como se deu a negociação das doses com o Ministério da Saúde.

A vacinação engatinha até o momento no Brasil, que corre o risco de passar por desabastecimento de imunizante no curto prazo. Várias cidades interromperam a imunização por falta de doses.

Os ex-ministros Nelson Teich e Luiz Henrique Mandetta também aparecem como testemunhas a serem ouvidas pela investigação. O diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, representantes das secretarias de Saúde, estados e municípios também fazem parte do rol dos que serão ouvidos pela PR-DF.


> “Anvisa esperneia, faz discurso, mas já entendeu o recado”, diz líder do governo
> Avaliação negativa do governo Bolsonaro sobe para 35,5%, aponta CNT

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!