Do Psol a bolsonaristas, políticos lamentam morte de Bruno Covas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) morreu neste domingo (16), no Hospital Sírio-Libanês, onde estava internado desde início de maio para tratamento imunoterápico contra o câncer. A doença foi descoberta em outubro de 2019. Na sexta-feira (14), Covas teve uma piora e o seu quadro foi considerado irreversível pela equipe médica. 

A bancada do PSDB na Câmara recebeu com profundo pesar e consternação a notícia do falecimento de Covas. Em nota, os parlamentares lamentaram "sua partida prematura" e disseram que seu falecimento "interrompe uma promissora trajetória e sua gestão à frente da prefeitura o credenciava a desafios maiores".

A bancada disse que o prefeito era uma "referência para o PSDB e para a política".

"Bruno trazia muitas das suas qualidades: retidão de caráter, compromisso com a coisa pública, excepcional capacidade de gestão e de articulação e, acima de tudo, um democrata, que nunca abriu mão de seus princípios e do respeito aos adversários, mesmo em meio a eleições acirradas, como a última que disputou.

O PSDB perde um grande companheiro, o povo paulistano e o Brasil perdem um dos maiores líderes da sua geração. Mas seus familiares e especialmente  seu filho Tomás perdem muito mais: um pai amoroso, sempre presente e um ente insubstituível. A eles e aos amigos registramos nossa solidariedade e carinho". 

Por meio de suas mídias sociais, o presidente Jair Bolsonaro declarou solidariedade ao familiares.


O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ressaltou que "Bruno Covas era, sem dúvida, um dos maiores quadros da nossa geração, representante dos ideais da social democracia, valores defendidos pelo seu partido, o PSDB, que teve entre os fundadores o seu avô, Mário Covas".

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) afirmou que Bruno Covas "lutou com bravura e destemor até o último instante". "Das vezes em que estivemos juntos, guardo a melhor impressão dos gestos de homem público forte, decente e de muito caráter", escreveu em nota.

Políticos de todo o Brasil prestam sua homenagem virtualmente. Vejam algumas manifestações de afeto, estima e solidariedade à família:

Em 2020, Bruno Covas (PSDB) venceu Guilherme Boulos (Psol) no segundo. O tucano obteve 59,38% dos votos válidos contra 40,62% de Boulos. Em outubro de 2016 Covas foi eleito vice-prefeito da cidade de São Paulo, na chapa de João Dória (PSDB), assumindo a prefeitura em 2018 quando Dória decide concorrer ao governo do estado. Entre outros cargos, foi deputado estadual e, também, secretário estadual de Meio Ambiente de São Paulo.

Thaís Rodrigues é repórter do Programa de Diversidade nas Redações realizado pela Énois - Laboratório de Jornalismo, com o apoio do Google News Initiative.

 

Continuar lendo