Ministro suspeito de usar candidatas laranjas é exonerado, mas vai voltar após posse na Câmara

O presidente Jair Bolsonaro exonerou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL). O decreto com a exoneração foi publicado na edição desta quarta-feira (6) do Diário Oficial da União. Segundo a assessoria de Marcelo, ele se afasta temporariamente do cargo para tomar posse na Câmara e voltará ao ministério em seguida.

A divulgação do decreto levantou a suspeita de que a exoneração poderia estar ligada à suspeita de que ele usou candidatas laranjas em benefício próprio em Minas Gerais, conforme revelou a Folha de S.Paulo na última segunda-feira (4). Ele era o único dos quatro ministros de Bolsonaro com mandato na Câmara que não havia sido empossado.  De acordo com a assessoria, ele faltou à posse na última sexta por estar de licença médica.

Segundo a Folha, quatro candidatas do PSL em Minas Gerais receberam R$ 279 mil do comando nacional do partido, por indicação de Marcelo Álvaro Antônio, para disputar a eleição. Ele é o presidente do diretório partidário em Minas. Do total, R$ 85 mil foram destinados oficialmente a empresas de assessores, parentes ou sócios de assessores do ministro, de acordo com a reportagem.

Decisão foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União, mas não traz justificativa

Mesmo figurando entre os 20 candidatos do PSL que mais receberam dinheiro público, essas quatro mulheres tiveram desempenho insignificante: juntas, receberam cerca de 2 mil votos, o que reforça a suspeita de que suas candidaturas tenham sido de fachada.

O ministro nega as acusações e diz que a distribuição do fundo partidário do PSL em Minas Gerais cumpriu as exigências legais. No Twitter, ele escreveu que era "alvo de uma matéria que deturpa os fatos e traz denúncias vazias". O vice-presidente Hamilton Mourão classificou como grave a denúncia.

Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, da Folha, a professora aposentada Cleuzenir Barbosa, que concorreu a uma vaga como deputada estadual pelo PSL-MG, diz ter sido ameaçada por dois assessores do ministro do Turismo.

Ela afirmou que pediu asilo político para o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) de Portugal. “Não viria pra cá [Portugal] assim rapidamente se não fosse para poupar a nossa vida”, declara Cleuzenir.

Em dezembro, a candidata contou ao Ministério Público que foi coagida por dois assessores de Marcelo Álvaro Antônio a devolver R$ 50 mil dos R$ 60 mil de verba pública de campanha que havia recebido do PSL. O político mineiro diz que jamais fez ou autorizou alguém a fazer pressão contra candidatos.

Batizado como Marcelo Henrique Teixeira Dias, o mineiro usa na política nome que remete ao pai, o ex-deputado Álvaro Antônio, falecido em 2003.

Metade do ministério de Bolsonaro vem de família de políticos ou militares

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!