Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

“Todo gordinho está virando mariquinha”, diz Bolsonaro

 

O pré-candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) criticou nesta quarta-feira (6) os defensores do chamado “politicamente correto”. Como prova de sua repulsa à prática atribuída por ele a “radicais de esquerda”, ele não mediu palavras em sabatina promovida pelo Correio Braziliense.

“Quando alguém faz uma besteira com um terceiro, ele será isolado pelos próprios colegas. Isso do politicamente correto é coisa dos radicais de esquerda. Eu sou uma das pessoas que mais sou atacado”, alegou. “Na escola, você é chamado de quatro olhos, gordinho mesmo. Mas, antes, o gordinho se defendia. E agora, todo gordinho está virando mariquinha. Se bem que tem muito gordinho machão aqui”, disse, dirigindo-se à plateia.

Bolsonaro defendeu medidas “radicais” para combater a segurança pública, mas não se aprofundou sobre o assunto. “Em algumas coisas tem que ser radical. Só temos uma vida”, afirmou. “Não vem com essa história de presídio cheio. Isso é um problema de quem cometeu o crime. Eu sei que não é fácil. Vou contar com a ajuda do coronel (Ney Oliveira) Müller. Tem que vir gente como ele (para o governo), não pode vir antropólogo para tratar essa questão grave e única entre nós”, declarou.

<< Pesquisa confirma liderança de Bolsonaro; Ciro e Haddad aparecem à frente de Alckmin e Marina

<< Bolsonaro tem 15 dias para apresentar defesa sobre denúncia da PGR por racismo e ameaça

O deputado também afirmou que, se eleito, não se submeterá ao "toma lá, dá cá" entre o Executivo e o Legislativo. Ele também elogiou o chamado "centrão", grupo de partidos que deu sustentação ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) e que hoje faz parte da base de Michel Temer. "Quero mostrar que nós podemos ser um ponto de inflexão na forma de fazer política, sem toma lá dá cá, sem viés ideológico. Vamos jogar pesado na questão de segurança pública para que o país volte a ter turismo, jogar pesado na área de ciência e tecnologia”, disse.

Segundo Bolsonaro, o clima de ódio instalado no país não é uma preocupação sua: “Quem mais fala de ódio é a esquerda, que faz os piores memes sobre mim”.

Privatizações em "certos casos"

O presidenciável mudou o seu discurso em relação à economia. Se, antes, defendia o papel do Estado, agora defende privatizações em “certos casos” e a menor interferência do poder público nas decisões econômicas e na indução do desenvolvimento econômico e social. Ele evitou responder quais empresas privatizaria. “Vamos discutir isso em um momento oportuno”, desconversou. Apontou a Petrobras, porém, como empresa estratégica para o Brasil.

Jair Bolsonaro rebateu, ainda, reportagem publicada hoje pelo jornal O Globo que informa que ele recorreu a manobras, ao indicar parlamentares aliados como testemunhas, para protelar o processo a que responde no Supremo Tribunal Federal (STF) por ofensas à deputada Maria do Rosário (PT-RS). “Não há como não ser absolvido no processo”, ressaltou. “Ela [Maria do Rosário] estava defendendo estuprador menor de idade. E depois me chama de estuprador. Eu dei aquela resposta para ela, foi intempestiva, pode ter sido até agressiva, mas não poderia ir para casa com a pecha de estuprador”, disse.

<< Veja a sabatina no Correio Braziliense

Continuar lendo