Temer defende fim do sistema proporcional

Para o peemedebista, vereadores e deputados devem ser eleitos da mesma forma que senadores, prefeitos, governadores e presidente. Ou seja, quem levar mais votos vence

O vice-presidente Michel Temer defendeu nesta terça-feira (2) o fim do sistema proporcional na eleição para deputados e vereadores e a adoção do chamado "distritão" no país. “A estrutura política privilegia a maioria”, afirmou, durante seminário promovido na Câmara pelo PMDB. Para ele, devem ser eleitos aqueles que receberem mais votos, independente de quociente eleitoral e voto em legenda, da mesma forma que senadores, governadores, prefeitos e presidente da República.

Em sua avaliação, o sistema proporcional, que leva em conta o chamado quociente eleitoral (número mínimo de votos para ser eleito) e quociente partidário (divisão das vagas pelos partidos) contraria o mandamento constitucional que afirma que “todo poder emana do povo” nos casos em que candidatos a deputado têm votação muito grande e acabam “puxando” outros candidatos com votação inexpressiva. “O povo simplesmente não entende isso”, lamentou.

Mais cedo, Temer levou sugestões de um plebiscito sobre reforma política aos presidentes das Casas do Congresso. Ao lado do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ele destacou que a decisão final sobre a reforma será do Parlamento. Além do sistema de governo, o governo sugeriu uma consulta popular sobre financiamento de campanha (privado, público ou misto); existência de suplência no Senado; manutenção ou fim das coligações partidárias; e voto secreto no Parlamento.

Temer também falou sobre as manifestações que tomam conta das ruas do país. Para ele, os protestos não são contra o governo, mas contra o “que está estabelecido”. “A população quer uma democracia da utilidade nos serviços públicos”, avaliou.

 
Veja ainda sobre a reforma política

Textos sobre as manifestações de junho e seus desdobramentos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!