STF determina abertura de inquérito contra Mercadante e Aloysio

Os dois serão investigados por crimes de lavagem de dinheiro e fraude na prestação de contas referente às eleições de 2010. Ambos negam irregularidades

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta terça-feira (22) a abertura de inquérito contra o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante (PT), e contra o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) para apurar indícios de fraude na prestação de contas eleitorais referentes às eleições de 2010. Eles também serão investigados pelo crime de lavagem de dinheiro.

A decisão do ministro tomou como base as delações do dono da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, durante as investigações da Operação Lava Jato. Aos investigadores, o empreiteiro disse que entregou R$ 500 mil para Mercadante, em 2010, quando o petista foi derrotado no primeiro turno por Geraldo Alckmin (PSDB) na eleição para governador de São Paulo. O repasse, segundo ele, também foi de R$ 500 mil para Aloysio: R$ 300 mil por meio de doações oficiais da UTC e outros R$ 200 mil em espécie. Naquele ano, o tucano conquistou uma cadeira no Senado, com 11 milhões de votos. Os dois negam ter recebido recursos ilícitos.

Após as delações de Pessoa, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu investigação contra os dois políticos paulistas por envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras. Na ocasião, o procurador-geral ainda pediu abertura de inquérito contra o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, também por suspeitas de envolvimento no petrolão, após o empreiteiro declarar que doou R$ 7,5 milhões à campanha de Dilma por temer prejuízos em contratos com a estatal.

Ao analisar os pedidos de Janot, o ministro Teori Zavascki, que relata os casos que tramitam no Supremo relacionados à Lava Jato, concluiu que os fatos narrados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) relativos a Mercadante e Aloysio não tinham vínculo direto com os desvios da Petrobras, mas se tratavam de crimes eleitorais.

O ministro, então, repassou o caso ao presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, para ele que fizesse a redistribuição dos autos. Na mesma decisão, Teori acolheu o pedido da PGR e determinou a abertura de investigação contra Edinho por entender que, nesse caso, havia ligação direta entre as suspeitas do procurador-geral e os fatos apurados na Lava Jato.

Na nova distribuição do procedimento, Celso de Mello foi designado relator e nesta terça-feira decidiu pela abertura de investigação. O inquérito tramitará sob sigilo. “Os presentes autos noticiam fatos que, em tese, poderiam configurar práticas delituosas cuja materialidade e autoria estão a reclamar ampla investigação”, informou o ministro Celso de Mello nesta terça-feira.

Em notas oficiais, Aloysio Nunes e Mercadante negaram as irregularidades apontadas por Pessoa. “Recebo com serenidade a informação de que o Ministro Celso de Mello autorizou a abertura de investigação acerca do teor da delação premiada do senhor Ricardo Pessoa, pois terei a oportunidade de comprovar, no curso do inquérito, o que tenho afirmado desde o meu primeiro pronunciamento a respeito dos fatos”, disse Mercadante. Ele ainda ressaltou que nunca se reuniu com o empreiteiro.

Já o tucano declarou que “a investigação é bem-vinda para afastar qualquer dúvida quanto à correção da prestação de contas da minha campanha de 2010 que, aliás, já foram aprovadas pela Justiça Eleitoral”.

 

Mais sobre operação Lava Jato

Mais sobre Mercadante

Mais sobre Aloysio Nunes

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!