Protestos perdem força, mas reúnem 260 mil no país

Os atos pediram o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a redução de 50% do número de ministérios e cobraram medidas de combate à corrupção. Houve aplausos ao juiz Sérgio Moro que conduz as investigações da Operação Lava Jato

As manifestações deste domingo reuniram pelo menos 260 mil pessoas em 170 cidades brasileiras. A maior concentração confirmada, até o momento, ocorreu em Curitiba, no Paraná, onde 40 mil pessoas protestaram contra o governo, conforme a Polícia Militar. Em São Paulo, a PM ainda não divulgou os dados sobre o número de manifestantes.

Pela manhã, a maior concentração ocorreu em Brasília, onde 25 mil pessoas protestaram em frente ao Congresso Nacional. No Rio de Janeiro, os atos contra o governo Dilma Rousseff concentram 10 mil pessoas.

Em Belo Horizonte, houve uma concentração de aproximadamente 6 mil pessoas e Belém, no Pará, de outras 5 mil. Ao menos pela manhã, as manifestações mostram um pequeno enfraquecimento das mobilizações contra o governo federal em comparação com os protestos de 15 de março. Em Brasília, por exemplo, os atos reuniram entre 45 e 50 mil pessoas em março.

Na capital federal, os protestos começaram por volta das 9h30 e terminaram aproximadamente às 12hs, uma hora e meia antes do previsto. O sol forte atrapalhou as mobilizações.  O tempo também foi o responsável por atrasos nas manifestações em São Luís, no Maranhão, onde, por causa das chuvas, o início do protesto sofreu um atraso de uma hora. Na capital maranhense, os atos reuniram 400 pessoas, conforme a PM.

Em todo o país, os atos pediram o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a redução de 50% do número de ministérios e cobraram medidas de combate à corrupção. Houve manifestações a favor da Operação Lava Jato e aplausos ao juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, responsável pelas investigações e até pessoas que pediram a extinção do PT.

Houve também pedidos pontuais de intervenção militar e outras reivindicações inusitadas, como a volta do voto em papel em Ribeirão Preto. A manhã de protestos ocorreu de forma tranqüila com poucos incidentes. Em Brasília, duas pessoas foram presas. Uma por estar portando um facão; e outra por incitação à desordem pública.

Ainda em Brasília, dois grupos de manifestantes em Brasília entraram em confronto, quando a marcha começava a ocupar a frente do Congresso Nacional. A briga começou por que algumas pessoas se irritaram com um grupo ligado à Ordem Dourada do Brasil, formada por militares da reserva que defendem a “intervenção militar Constitucional”.

No Rio de Janeiro, dois manifestantes do PT foram escoltados por policiais ao defender o governo em meio aos protestos na orla de Copacabana.

Em Manaus, a concentração, marcada para as 9h, na Praça do Congresso, no centro da capital, começou tímida por causa da chuva, segundo os organizadores. De acordo com o integrante do Movimento Brasil Livre Jean Batista, cerca de 10 mil pessoas participam da manifestação. A Polícia Militar informou que havia 900 manifestantes.

Com informações da Agência Brasil

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!