PGR nega inquérito sobre relações de Cachoeira com ministros do STF e STJ

Nova investigação seria desdobramento das operações da PF. De acordo com Gurgel, "nada existe neste sentido", apesar de haver citações a Gilmar Mendes e a ministro do STJ

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, negou nesta sexta-feira (4) a existência de um novo inquérito para investigar as supostas relações do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A investigação seria desdobramento das operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal, ambas relacionadas à atuação do contraventor.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

A informação foi publicada ontem (3) pela coluna Radar Online, da revista Veja. A nova investigação possuiria gravações que apontam o envolvimento de quatro ministros do STF e 11 do STJ, além de vários deputados com Carlinhos Cachoeira. No Inquérito 3430, que investiga o senador Demóstenes Torres (sem partido, ex-DEM-GO) no Supremo, o ministro Gilmar Mendes é citado em algumas ocasiões em diálogos entre o parlamentar goiano e Cachoeira, além de conversas de terceiros.

Para os investigadores, não há qualquer "referência de ilegalidade no procedimento de Demóstenes com o ministro". "Este diálogo, dentre outros, serve fundamentalmente para demonstrar que Demóstenes Torres tem o hábito de informar Carlinhos Cachoeira de sua atuação política, além de já ter pedido alguns conselhos políticos a Cachoeira", ressaltam os investigadores. Em outro trecho, a PF cita que um "ministro do STJ" foi procurado por Demóstenes, segundo os áudios captados. Da mesma forma, a polícia diz que não foi comprovado que o desconhecido ministro tenha atendido aos pedidos do senador ou que tenha cometido alguma ilegalidade.

Na nota, Gurgel esclarece que não fez qualquer menção a uma nova investigação, “pela singela razão de que nada existe neste sentido”. O procurador disse ainda que “matérias que afirmam o contrário são mentirosas e irresponsáveis, servindo apenas para tumultuar investigações de fatos extremamente graves que a sociedade brasileira deseja ver cabalmente apurados”.

O Congresso em Foco tentou entrar em contato com o presidente da CPMI do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), mas não obteve resposta. No fim da noite de ontem, o senador enviou um email à coluna negando que tenha recebido tais informações no encontro que teve com Gurgel. Apesar da negativa, a coluna afirmou que manteria a informação publicada.

Leia abaixo a íntegra da nota publicada:

O Procurador-Geral da República esclarece que jamais mencionou a qualquer interlocutor a existência de investigação ou inquérito relacionado a ministros do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça, pela singela razão de que nada existe neste sentido. Matérias que afirmam o contrário são mentirosas e irresponsáveis, servindo apenas para tumultuar investigações de fatos extremamente graves que a sociedade brasileira deseja ver cabalmente apurados.

Roberto Gurgel

Procurador-geral da República

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (dois minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!