PF prende ex-diretor da Petrobras no Rio de Janeiro

Nestor Cerveró foi preso por agentes federais após desembarcar no Aeroporto do Galeão, ao chegar da Inglaterra. Ele é acusado pelo MPF de continuar praticando os crimes investigados na Lava Jato

A Polícia Federal prendeu na madrugada desta quarta-feira (14) o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, quando o executivo desembarcava no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio, vindo de Londres, na Inglaterra. Ele, que estava no país desde dezembro, é acusado de continuar praticando crimes investigados na Operação Lava Jato.

Cerveró, um dos principais envolvidos na compra da refinaria da Pasadena, nos Estados Unidos, passou toda a madrugada em uma sala especial determinada pela PF nas dependências do terminal aeroportuário, de onde seguiu em avião de carreira para Curitiba, onde estão presos outros acusados de participar da Operação Lava Jato.

Em nota divulgada na madrugada, o Ministério Público Federal (MPF) informou que foi cumprido mandado de prisão preventiva contra o executivo, uma vez que havia indícios de que ele “continua a praticar crimes e a a transferir bens a seus familiares”.

À Folha de S. Paulo, seu advogado, Edson Ribeiro, disse Não haver motivo para a prisão preventiva do ex-diretor da área internacional da Petrobras. Segundo o defensor, a viagem e o endereço onde Cerveró ficaria foram comunicados ao Ministério Púbico Federal e à PF.

Durante a madrugada foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa de Cerveró e de parentes. Informações obtidas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) indicavam, entre outras coisas, que o executivo tentou transferir para sua filha R$ 500 mil, em uma operação em que perderia soma considerável de dinheiro, além de imóveis adquiridos com recursos de origem duvidosa e por valores abaixo dos praticados no mercado.

Na avaliação do MPF, a custódia cautelar foi necessária para “resguardar a ordem pública e econômica e para evitar a continuidade dos crimes que vinham sendo praticados pelo ex-dirigente.

Ação penal

Nestor Cerveró foi denunciado pelo MPF em dezembro, por lavagem de dinheiro e corrupção passiva, quando passou a réu no processo da Operação Lava Jato, juntamente com o doleiro Alberto Youssef, com Fernando Antonio Falcão Soares, que seria o operador do PMDB no esquema, além de empresários de várias empreiteiras que tinham contratos com a Petrobras. Como a denúncia foi aceita pela Justiça, ele virou réu em ação penal no caso.

Ex-diretor da Área  Internacional da Petrobras, Cerveró foi apontado pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa, em acordo de delação premiada, como um dos principais beneficiados no esquema de propina que envolveu a compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos – negócio que teria gerado prejuízos de US$ 792 milhões à estatal.

Com informações da Agência Brasil

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!