Passaporte atesta contas secretas de Cunha na Suíça

Montante movimentado em dólares e francos suíços equivale a R$ 23,8 milhões, dizem investigadores. Dados em poder do Ministério Público foram obtidos pela TV Globo

Documentos encaminhados por autoridades da Suíça à Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmam que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de fato manteve contas secretas no país europeu, com indícios de lavagem de dinheiro e corrupção. São cópias de passaporte e de outros dados pessoais, com assinatura do deputado, que registram com clareza o nome completo, a data de nascimento e o endereço de Cunha em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. A documentação foi obtida pela TV Globo e exibida em veículos como Jornal Hoje e G1.

O conjunto de informações do Ministério Público suíço revela a trajetória do dinheiro repassado às contas bancárias atribuídas a Cunha e alguns familiares. Segundo a reportagem, foram registrados depósitos de US$ 4.831.711,44 e 1,3 milhão de francos suíços movimentados em tais contas, sem a devida comunicação à Receita Federal. O montante, segundo cotação das moedas referente a esta sexta-feira (16), equivale a R$ 23,8 milhões.

Segundo investigadores suíços e brasileiros – o caso passou a ser investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) –, os documentos pessoais assinados por Cunha comprovam o que ele tem negado: que é o beneficiário das contas bancárias. Em uma delas, em nome da offshore Triumph SP, uma cópia do passaporte do deputado demonstra o uso do documento para a abertura da conta. “Em um dos documentos, que autoriza investimentos vinculados à conta bancária, aparece uma assinatura que seria de Cunha, semelhante a registrada no passaporte dele”, diz trecho da reportagem veiculada no G1, com imagens dos documentos em poder do MPF.

Em um dos documentos, um formulário questiona se o candidato a correntista tem residência no país em que deseja abrir a conta – ou seja, a Suíça. Segundo o Jornal Hoje, a resposta no documento assinado por Cunha é que o titular do requerimento desejava trabalhar no país europeu.

“Parte do dinheiro teria sido pago a Cunha como propina por contrato fechado entre a Petrobras e a empresa Companie Beninoise des Hydrocarbures Sarl, em Benin, na Africa. Segundo as investigações, o empresário Idalecio de Oliveira era proprietário de um campo de petróleo em Benin e fez um contrato de US$ 34,5 milhões com a Petrobras para exploração do mesmo”, acrescenta a reportagem.

Com a veiculação das revelações sobre o caso intensificadas desde a semana passada, o deputado virou alvo de pedido de processo, no Conselho de Ética da Câmara, por quebra de decoro parlamentar. Já denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por indícios de envolvimento no esquema de corrupção descoberto com a Operação Lava Jato, Cunha foi à CPI criada para investigar o caso, em março, e negou ter contas no exterior ou ter recebido “qualquer vantagem” dos desvios na estatal. A declaração é tida como “mentira” por parlamentares da Câmara e do Senado e, segundo esse ponto de vista, é motivo suficiente para a cassação do seu mandato.

O Congresso em Foco tentou contato com deputado do PMDB, que não deu reposta até a publicação deste texto. Durante toda a semana, Cunha insistiu em negar as acusações encaminhadas à PGR por autoridades suíças. Procurada para comentar o assunto, a assessoria da Presidência da Câmara recomenda a consulta ao advogado de Cunha, Antonio Fernando de Souza, que tem evitado comentar o caso.

Leia a reportagem completa

Leia também:

Cunha recebeu propina em dinheiro vivo, diz delator

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre Eduardo Cunha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!