O que dizem líderes contra e a favor do impeachment

Manifestações pró-Dilma costumam ocorrer no dia 13 que antecede os protestos pela saída da presidente. As lideranças das duas frentes estiveram lado a lado, nesta sexta-feira, na Esplanada dos Ministérios

Milhares de pessoas saíram às ruas ontem para manifestar repúdio ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Além de gritarem "fora, Cunha!", os manifestantes também demonstraram apoio à presidente Dilma. Apesar das ressalvas quanto política econômica, eles concordam com o governo e chamam o debate pelo impeachment de "golpismo". Como já é de costume, o protesto é realizado no dia 13 que antecede manifestações anti-governo. Para este domingo (15,) outro público dominará as ruas da cidades. Esse pede o impeachment da presidente e costuma poupar o presidente da Câmara.

Líder do Revoltados Online, grupo que pede a saída de Dilma, o administrador Marcelo Reis falou com o Congresso em Foco. Ele defendeu que primeiro a petista deve deixar o poder, para depois requererem a saída de Cunha. “Não vamos passar os vagões na frente da locomotiva. Derruba-se, primeiro, Dilma Rousseff, depois partimos para Cunha. Nós não compactuamos com corruptos.”

Já um dos líderes da União Nacional dos Estudantes (UNE), o estudante João Lemos falou o contrário. Ele argumentou que não tramita contra Dilma qualquer tipo de denúncia, como ocorre com Cunha, acusado pela Procuradoria-Geral da República, por suposto envolvimento com o esquema de corrupção da Petrobras. Segundo ele, a denúncia justifica a cassação do mandato do peemedebista. “Viemos fazer uma defesa da democracia, defender o mandato eleito pelo povo brasileiro no ano passado, exigir a saída de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara.”

Veja a entrevista com Marcelo Reis:

 

Veja a entrevista com João Lemos, da UNE:

 

Mais sobre o Brasil nas ruas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!