Lula atinge ápice de aprovação; Alckmin, Marina e Bolsonaro têm queda, aponta Ipsos

 

Apesar de condenado na primeira instância, o ex-presidente Lula continua na liderança das pesquisas de intenção de votos. Na última pesquisa Barômetro Político Estadão-Ipsos, o petista atingiu seu ápice de aprovação na série histórica, atingindo seu sexto mês seguido de melhora na avaliação, neste mês de dezembro.

De acordo com a pesquisa, o ex-presidente aparece  com aprovação de 45% da população entrevistada. Apesar do aumento no índice dos que o aprovam, sua desaprovação supera o percentual de aprovação. Na pesquisa, 54% rejeitam uma possível candidatura do petista.

<<Relembre: Lula lidera todos os cenários em nova pesquisa Datafolha

Conforme as últimas pesquisas, em junho Lula era aprovado “um pouco” ou “totalmente” por 28% dos brasileiros. Em julho a taxa passou para 29%, agosto ficou em 32%, setembro em 40%, outubro em 41% e novembro em 43%.

Condenação

O Tribunal Regional Federal da quarta região (TRF-4) marcou para 24 de janeiro o julgamento em segunda instância do ex-presidente, condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância. A 8ª Turma do TRF-4, sediada em Porto Alegre (RS), julgará o recurso da condenação do petista.  A definição do julgamento tem relação com as eleições presidenciais de 2018, diante de um cenário em que o petista lidera todas as pesquisas de intenção de voto.

<< Lula lidera pesquisa presidencial de 2018; Bolsonaro e Marina aparecem na disputa pelo segundo lugar, diz Datafolha

O julgamento é relativo ao caso em que o ex-presidente é acusado de receber propina disfarçada por meio de um tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo. De acordo com a condenação de Moro, Lula recebeu R$ 3,7 milhões da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012, em consórcio com a Petrobras. Ao todo, nas contas da Lava Jato, o esquema criminoso movimentou R$ 6,2 bilhões em propina, gerando à petrolífera um prejuízo estimado em R$ 42 bilhões. Para o MPF, Lula era o elo entre o esquema partidário de corrupção e a estrutura de governo.

O dinheiro foi usado, segundo a acusação, na reforma do triplex do Edifício Solaris, no Guarujá (SP), que a Lava Jato afirma ser de Lula. A denúncia também acusava Lula de usar parte do valor no custeio do armazenamento de bens do acervo presidencial, de 2011 a 2016, em empresa especializada. Na mesma sentença, no entanto, Moro absolveu o ex-presidente pelas “apesar das irregularidades no custeio do armazenamento do acervo presidencial, não há prova de que ele envolveu um crime de corrupção ou de lavagem”.

Possíveis candidatos

Na contramão da elevação do índice de aprovação de Lula, os possíveis candidatos Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Jair Bolsonaro (PSC) sofreram desgaste em suas imagens. A pesquisa foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo desta quarta-feira (20).

<< Leia aqui a reportagem na íntegra

Na pesquisa, Marina aparece em segundo lugar no quesito aprovação, com 28%. No entanto, a possível candidata é reprovada por 62% dos entrevistados. Já o deputado Jair Bolsonaro é o terceiro colocado, aprovado por 21% e reprovado por 62%.

"Geraldo Alckmin aparece na pesquisa Ipsos com 19% de aprovação e 72% de desaprovação. No levantamento do mês anterior, as taxas eram, respectivamente, de 24% e 67%. Isso significa que o governador paulista teve uma leve deterioração na imagem no momento em que se preparava para assumir a presidência do PSDB", diz trecho da reportagem.

<< Lula e Bolsonaro iriam ao segundo turno se eleições fossem hoje, aponta Ibope


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!