Impeachment: líder do governo admite derrota no plenário

Senador Humberto Costa (PT-PE) prevê que governo terá entre 21 e 23 votos na votação de quarta-feira (11), quantidade insuficiente para barrar a admissibilidade do processo no Plenário

Ao final da votação na comissão especial de impeachment no Senado, que admitiu por 15 votos a cinco o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o líder do governo na Casa admitiu que provavelmente os governistas sofrerão outra derrota na corrida contra o processo de deposição, desta vez em plenário. Para Humberto Costa (PT-PE), o governo terá entre 21 e 23 votos na sessão de quarta-feira (11), onde o conjunto dos senadores vai decidir se aceita ou não a continuidade do procedimento jurídico-administrativo.

Para avançar, o relatório da comissão especial precisa da aprovação de maioria simples dos presentes em plenário. Aprovado o parecer, a petista será substituída pelo vice-presidente da República, Michel Temer, até o julgamento final pelos próprios senadores no prazo de até 180 dias. Caso o parecer seja rejeitado na quarta, o processo será arquivado.

Por outro lado, o grupo pró-impeachment trabalha para conseguir dois terços, ou 54 votos, favoráveis à aprovação da matéria já na votação de quarta-feira - o quórum de 54 votos é exigido para a consolidação do impeachment na segunda e última fase do julgamento, a partir de quando Dilma terá sido definitivamente deposta pelos senadores.

Segundo o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), "a votação expressiva dará estabilidade ao processo".

Mais sobre o impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!