Jornais: governo reduz restrições para privatizar aeroportos

Empresas que administram aeroportos já licitados — Guarulhos, Viracopos e Brasília — poderão participar também do leilão de Galeão e Confins

O GLOBO

Governo reduz restrições para privatizar aeroportos

No esforço para viabilizar concessões na área de infraestrutura, o governo acabou com o impedimento para que empresas que administram aeroportos já licitados — Guarulhos, Viracopos e Brasília — possam participar também do leilão de Galeão e Confins, em novembro. A regra previa que eles só poderiam ter 15%, sem o controle.

Agora, segundo a ministra Gleisi Hoffmann, será transferida ao TCU a atribuição de fixar algum limite, se achar necessário. As regras para concessões de portos também serão revistas. Em Nova York, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse que o banco precisa de parceria com o setor privado para "partilhar o fardo”.

Dilma: ‘Brasil é civilizado, respeita os contratos’

A frase da presidente foi dita em reunião com 350 investidores no Goldman Sachs, em Nova York.

TIM: ‘Empresa não é linguiça’

Dilma desautorizou o ministro Paulo Bernardo sobre Vivo e TIM terem mesmo dono. Já dirigente da TIM disse que ela não pode ser fatiada.

Mesmo sem votos, partidos já nascem com verbas

Recém-criados, PROS e Solidariedade devem receber cerca de 50 deputados até outubro. Mesmo sem votos, cada novo partido terá, por ano, R$ 600 mil do Fundo Partidário. O país agora tem 32 partidos.

PSB de Campos intervém no Rio

Alexandre Cardoso, aliado de Dilma, é afastado do comando regional do partido.

Deputada do PSOL tira licença

Acusada de cobrar caixinha, Janira Rocha se afasta da Alerj e adia depoimento.

TCU manda enxugar: Senado terá de cortar super salários

Impunidade: Violência contra mulher não caiu

Lei Maria da Penha, em vigor há 7 anos, não reduziu índice de mortes de mulheres, diz estudo. Morrem 5 mil por ano.

Temperatura pode aumentar 7 graus

Previsão do Painel Climático da ONU para o Brasil é mais grave do que se acreditava.

 

 

 

FOLHA DE S.PAULO

Troca-troca partidário já envolve 9% da Câmara

No primeiro dia após criação de duas siglas, 46 deputados negociam mudança

Nunca vi tanta pressão da mídia sobre um juiz, diz Celso de Mello

 

O ministro Celso de Mello, do STF, criticou a ação da mídia no julgamento do mensalão. "Em 45 anos de atuação, nunca presenciei comportamento tão ostensivo buscando pressionar e virtualmente subjugar a consciência de um juiz."

Fumaça tóxica provoca fuga em massa de cidade em SC

Uma fumaça química causada por um incêndio em depósito de fertilizantes provocou fuga em massa de habitantes de São Francisco do Sul

TCU manda servidor do Senado devolver salário acima do teto

O TCU determinou que 464 servidores do Senado terão de devolver recursos recebidos acima do teto constitucional de salário nos últimos cinco anos

Só 8 dos 25 leilões federais devem sair do papel neste ano

O governo Dilma vai conseguir realizar até 8 dos 25 leilões de rodovias, ferrovias, aeroportos e de exploração de petróleo previstos para 2013

Velocidade máxima em vias do centro de SP será de 40 km/h

Prefeitura não detalhou plano; maioria das ruas já tem limite menor

Roubos crescem pelo terceiro mês no Estado de SP; homicídios caem

Homicídios dolosos no Estado caem pela 5ª vez e voltam a patamar pré-crise

 

O ESTADO DE S. PAULO

 

Dilma faz ofensiva nos EUA para atrair investidores

O primeiro escalão econômico do governo fez em Nova York um grande esforço para tentar convencer investidores a participar dos projetos de concessão de infraestrutura no Brasil. A sucessão de discursos não foi suficiente para dissipar dúvidas sobre regulação, segurança jurídica e retomo financeiro dos projetos. Dilma fechou o evento afirmando que o País precisa do capital privado e internacional para construção de ferrovias, rodovias, portos e aeroportos. A presidente frisou também que o País respeita contratos. O discurso foi dirigido a 500 pessoas na sede do banco Goldman Sachs. Antes dela, falaram os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e os presidentes do BNDES, Luciano Coutinho, e do BC, Alexandre Tombini.

BR-262 pode virar obra pública

Dilma Rousseff e Guido Mantega anunciaram que concessão da BR-262 (ES-MG) será transformada em PPP ou obra pública.

Servidores do Senado terão de devolver supersalários

Nuvem de gás de SC pode chegar a SP

Um galpão que armazenava 10 mil toneladas de fertilizante explodiu em São Francisco do Sul, provocando a formação de uma densa nuvem de gás. O governo de Santa Catarina decretou situação de emergência na cidade. O gás se desloca em direção ao interior do Estado e, dependendo da intensidade dos ventos, pode alcançar São Paulo.

Governo terá acesso a caso Siemens

A Justiça mandou o CADE liberar para o governo de SP documentos referentes ao caso Siemens. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse ser “extremamente grave” o fato de o presidente do CADE, Vinícius Carvalho, ter omitido ligação com petista que denunciou cartel, conforme revelou o Estado.

Novos partidos podem mobilizar até 50 deputados

A criação do Solidariedade e do PROS deve desencadear migrações envolvendo até 50 deputados e afetar sobretudo partidos da base governista. PT e PMDB articulam projeto que inibe a fundação de novas legendas.

Homicídio tem queda de 21% na capital paulista

São Paulo registrou em agosto 84 assassinatos - o menor número nesse mesmo mês nos últimos 12 anos. Por outro lado, aumentou a quantidade de roubos, principalmente a bancos (143%).

Dilma repreende Bernardo sobre situação da TIM

Dilma Rousseff desautorizou Paulo Bernardo (Comunicações). O ministro dissera que, após aumento de participação na Telecom Itália, o provável é que a Telefônica venda operações da TIM no País.

Potências estão perto de acordo sobre Síria

Lei Maria da Penha não reduz mortalidade

 

 

CORREIO BRAZILIENSE

 

Novos partidos buscam deputados de aluguel

Recém-criados, o Solidariedade e o Pros oferecem de tudo para atrair parlamentares: do comando da legenda nos estados à liberdade de fazer alianças nas eleições. Objetivo é rechear os cofres da sigla, com dinheiro público do fundo partidário.

Marajás terão que devolver dinheiro

Dilma dá sinal favorável à fusão de Vivo e TIM

Presidente diz que opinião do governo não é igual à do ministro Paulo Bernardo, contrário à junção que pode levar empresa a dominar mais de 50% do mercado de telefonia celular.

Ameaça de calote dos EUA põe em alerta o mercado

Sem recursos, o governo norte-americano pode suspender o pagamento de dívidas até 17 de outubro. Credores e investidores temem que a inadimplência abra uma crise mundial.

 

Costura eleitoral

O governador Agnelo dá como certa a aliança PT-PMDB para a eleição de 2014, depois de se reunir com o vice, Filippelli, e os presidentes nacionais dos dois partidos, Ruy Falcão e o senador Raul Raupp. Mas Filippelli diz que foi só "o primeiro passo".

Pela paz nas ruas

Caderno especial do Correio mostra iniciativas e experiências que melhoram o trânsito, como o maior uso de bicicletas.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!