Impugnação de candidatura deixa dúvidas em Goiás

O candidato petista já está fora da disputa pelo Governo de Goiás por não conseguir votos suficientes para o segundo turno. Decisão da Justiça Eleitoral, no entanto, invalidaria seus votos, o que daria a vitória em primeiro turno a Marconi Perillo

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Goiás  impugnou, na última segunda-feira (20), o registro do candidato a governador Antônio Gomide (PT), após contestação do Ministério Público Eleitoral (MPE). Gomide, segundo o tribunal, praticou atos de improbidade administrativa na época em que foi prefeito do município de Anápolis (GO) e teve suas contas desse período rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) do Estado de Goiás.

O candidato petista já está fora da disputa pelo governo de Goiás por não conseguir votos suficientes para ir ao segundo turno. Ele obteve 10,09% dos votos válidos. A decisão do TRE, no entanto, invalidaria os votos de Gomide, o que daria a vitória em primeiro turno a Marconi Perillo (PSDB). Perillo obteve 45,86% dos votos válidos no primeiro turno e, sem a contagem dos votos dados a Gomide, Perillo teria obtido mais de 50% dos votos válidos.

O PT, no entanto, vai recorrer “a todas as instâncias possíveis” contra a decisão do tribunal. Em nota divulgada por sua assessoria, o partido questiona a rejeição da prestação de contas de Gomide. “Não há imputação de débito, nem prova de dolo. Por conseguinte, não há fundamento para sequer comentar sobre improbidade administrativa”. O partido explica que todas as “possíveis irregularidades” já teriam sido sanadas e que o balancete  referente ao ano de 2010 foi aprovado pela Câmara Municipal de Anápolis.

A quatro dias do segundo turno das eleições, nada aponta que eventuais recursos impetrados serão julgados a tempo de impedir que o eleitor vá às urnas decidir entre Perillo e Iris Rezende (PMDB), que obteve 28,4% dos votos válidos no primeiro turno. De acordo com a assessoria do TRE, não há qualquer alteração quanto ao segundo turno no estado até o momento. A situação, conforme descreve a própria assessoria do tribunal, é atípica, mas o calendário para o próximo domingo (26) está mantido.

Caso Rezende vença o pleito no domingo e todos os eventuais recursos movidos pelo PT sejam negados, não está descartada a possibilidade de o peemedebista, ainda assim, não se eleger governador do estado, em virtude de haver um novo resultado de primeiro turno. Na última pesquisa do Ibope, divulgada ontem (21), Perillo tinha 60% de intenções de voto, enquanto 40% dos eleitores disseram que votariam em Rezende.

Mais sobre eleições 2014

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!