Ex-presidente da Valec é preso em operação da Polícia Federal

José Francisco das Neves, o Juquinha, é acusado por crimes de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Outras três pessoas acabaram presas e R$ 60 milhões foram apreendidos. Deputados querem ouvi-lo na CPI do Cachoeira

O ex-presidente da Valec José Francisco das Neves, o Juquinha, foi preso nesta quinta-feira (5), junto com outras três pessoas, em operação da Polícia Federal em Goiás, acusado de crime de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. As prisões são resultado da Operação Trem Pagador, da PF e do Ministério Público Federal (MPF-GO), que cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão em seis cidades goianas e duas de São Paulo.

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

De acordo com o MPF, a Operação Trem Pagador é um conjunto de medidas de investigação para identificar, localizar e apreender a maior quantidade possível de bens obtidos por meio ilícito. As investigações começaram em agosto de 2011 para apurar crimes de lavagem de dinheiro atribuídos a Juquinha, a sua mulher Marivone, e seus filhos Jader e Karen. Os três primeiros foram presos. O quarto detido foi Marcelo Araújo Cascão.

Juquinha foi preso em uma casa no condomínio Alphaville, em Goiânia. É o mesmo residencial em que o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foi preso em 29 de fevereiro. Segundo o Ministério Público Federal, estima-se que os bens apreendidos  superem a casa dos R$ 60 milhões. A PF informou que 11ª Vara da Justiça Federal expediu os mandados de prisão e de busca e apreensão.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira

No total, foram quatro mandados de prisão temporária, sete mandados de condução coercitiva, 14 mandados de busca e apreensão e sequestro de 15 bens imóveis nos municípios de Goiânia, Mundo Novo, Uruaçu, Inhumas, Senador Canedo e Orizona, todos em Goiás, e  Paulínea e Campinas, em São Paulo. Segundo a PF, os recursos para a compra dos bens foram obtidos durante a gestão de Juquinha na Valec, empresa responsável pela construção da malha ferroviária no país.

Convocação

A prisão de Juquinha ocorreu no mesmo dia em que a CPI do Cachoeira aprovou a convocação do ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte Luiz Antonio Pagot. Ambos foram demitidos do Ministério do Transporte pela presidenta Dilma Rousseff após denúncia de cobrança de propinas na pasta. Após a informação chegar à comissão, deputados defenderam a convocação do ex-presidente da Valec para prestar depoimento.

O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), foi um deles. Para ele, a CPI precisa ouvir Juquinha, já que a Valec assinou, em novembro de 2010, contrato no valor de R$ 574 milhões com a empresa Delta – um dos alvos das investigações no Congresso. “É imprescindível a vinda deste senhor à CPI, num momento em que se descobre que o motivo de sua prisão estaria ligado à ocultação de bens, formação de quadrilha e a lavagem de dinheiro. E ele, Juquinha, foi quem assinou contrato com a Delta, já que comandou a Valec até 2011”, justificou Bueno.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo